Pesquisar este blog

Carregando...

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Em defesa da democracia!

Está havendo um abuso da liberdade de imprensa

Leonardo Boff, em recente artigo que mostra seus delírios autoritários


A democracia na América nasceu com o protestantismo puritano. Os ingleses perseguidos pela Igreja Anglicana, então única denominação oficial, tiveram que atravessar o Atlântico e construíram suas histórias sob o ideal de liberdade que permeia toda a Constituição e cultura norte-americana. Defendendo a liberdade religiosa, esses bravos homens levantaram uma nação que valoriza todas as liberdades: de culto, de imprensa, de expressão, de opinião, de reunião,de circulação, de mercado etc. Os Estados Unidos mostraram como o protestantismo pode influenciar uma sociedade em ideias libertárias.

E nós hoje? O nosso país, sem nenhum exagero retórico ou terrorismo de oposição, está caminhando a pernas curtas para o autoritarismo. Exemplos? Vejamos:


  1. A hegemonia de um partido se desenha no horizonte. Um executivo fortíssimo, com um legislativo cada vez mais desmoralizado, sendo uma combinação perfeita para a tragédia!

  2. As estatais estão loteadas de “companheiros” sem competência técnica que “mamam” com o dinheiro dos nossos impostos.

  3. O governo tenta constantemente desmoralizar a imprensa como se essa um partido fosse. A mesma imprensa que faz o seu papel em denunciar os podres existentes no governo.

  4. O presidente Lula se comporta como o messias esperado. Bêbado por sua popularidade ele pensa que nem o céu é o limite. À revelia da lei, o presidente empurra sua candidata com o uso da máquina pública.

  5. Sindicato dos jornalistas, loteado por defensores do governo, montam um protesto contra a imprensa. Ou seja, o único país do mundo onde um sindicato de jornalistas se alia ao governo para defender a censura. Estão incomodados que a imprensa ouse divulgar a roubalheira que acontece debaixo das barbas presidenciais.

  6. Sob o lema de “combate ao udenismo” e ao “Partido da Imprensa Golpista”, blogueiros patrocinados por estatais fazem patrulhamento na internet contra as críticas aos problemas do governo.

  7. Na economia, o governo escolhe os “empresários amigos” para conceder generosos empréstimos dos bancos públicos à juros subsidiados. Assim, o capitalismo de Estado, esse leviatã pós-moderno, cresce com força no país.


Etc e etc!

Ah, eu como crente não preciso me preocupar com a liberdade de imprensa, pensa alguns! Ledo engano! Hoje tentam calar jornalistas, amanhã calam pastores. Não devemos esquecer a frase do pastor luterano Martin Niemöller, que viveu preso sob o regime de Hitler e escreveu um lindo poema sobre o totalitarismo nazista:

"Quando os nazistas levaram os comunistas, eu calei-me, porque, afinal, eu não era comunista. Quando eles prenderam os sociais-democratas, eu calei-me, porque, afinal, eu não era social-democrata. Quando eles levaram os sindicalistas, eu não protestei, porque, afinal, eu não era sindicalista. Quando levaram os judeus, eu não protestei, porque, afinal, eu não era judeu. Quando eles me levaram, não havia mais quem protestasse" .

Acordai crentes deste país. Vamos defender a democracia!

Assine o Manifesto em Defesa da Democracia: http://manifestoemdefesadademocracia.wordpress.com/

Um comentário:

Renato disse...

Estão apenas mostrando os leninistas que eles sempre foram.

Essa gente nunca teve apreciação nenhuma por nada que fosse democrático. Eles são herdeiros de Lenin e Stalin, de Fidel e Chê, do Kmer Vermelho, do muro de Berlin, da Stasi, da Romênia comunista, da Coréia do Norte.

Dificilmente haverá um ditador do no poder atualmente que lula e os petistas não admirem. Cada petista amaria transforma o Brasil numa ditadura.

Durante um tempo, fingiram ser democratas. Agora se sentem tão ricos e poderosos, que botam as asas de fora. Quando uma pessoa se entrega a uma forma de perversidade, só o Criador pode cura-la. Eles são homens maus e enganadores, que continuaram indo de mal a pior. Deus poderia salva-los, mas eles não querem. Amam a glória do mundo e as suas perversidades. Iram nesse caminho até o fim.