Pesquisar este blog

Carregando...

domingo, 26 de junho de 2011

A Missão Integral e os pentecostais

A Teologia da Missão Integral será tema nas escolas dominicais das Assembleias de Deus pela revista da CPAD (Casa Publicadora das Assembleias de Deus). O assunto é inédito no contexto assembleiano, mas é uma forte tendência há mais de uma década na academia evangélica. A Teologia da Missão Integral é, na verdade, fruto do Congresso Internacional de Evangelização, realizado em 1974, em Lausanne, na Suíça.

Nas igrejas protestantes clássicas, a Teologia da Missão Integral é muito popular, talvez só perde para a Teologia Reformada. Os batistas, os metodistas e clássicos independentes são os mais entusiastas da Missão Integral. Os presbiterianos, é claro, da Teologia Reformada. Os pentecostais, teoricamente, seriam “conversadores” resistentes à ação social e ignorantes no assunto. Há quem defina o pentecostalismo como grupo alienado (sentido sociológico do termo) preso a politicagem e longe da urgência da ação social. Será?

É perigoso generalizar os pentecostais, aliás, a generalização é sempre perigosa. Há conformismo na ação social? Evidente. A teologia dispensacionalista do tipo “o mundo vai de mal a pior” não ajuda na ideia de transformação social? Sim, é claro que a teoria escatológica pode ser paralisante (II Ts 3. 12). Muitas lideranças estão perdidas na politicagem mais mesquinha? Sim, é fato. Mas aí não acaba o universo pentecostal. A ação social dos pentecostais é uma realidade. No Brasil, não há grupo religioso mais próximo dos pobres do que os pentecostais.

A conversão de um bêbado, relato comum nas periferias, é um exemplo de transformação social. Se antes gastava nos “butecos”, agora compra Bíblias de Estudo e planeja estudar um curso de Teologia Básica. Apesar da precariedade desses cursos (básicos demais) é sinal de interesse pela educação. Educação sempre traz crescimento social. É a ação social individualizada. Mas há grandes trabalhos de casas de apoio, creches, cestas básicas, sopões e outras atividades desempenhadas por pentecostais por todo o país. É a ação social coletiva.

Generalizar é uma atividade perigosa. Diferente do que muitos creem, os pentecostais são agentes sociais mais ativos do que o senso comum costuma aceitar. Pode melhorar? Evidente que sim. Aliás, precisa melhorar muito. A politicagem precisa acabar. As igrejas pentecostais precisam criar uma Teologia Pública e lembrar que a influência do Evangelho é muito além de política partidária (o lado mais complicado para uma ação ética). Melhora deve ser uma constante.

________


PS: Em um próximo artigo vou comentar sobre o tipo de “justiça social” buscada pela Missão Integral. Será que a “justiça social” sonhada por muitos não é uma opressão com cores de generosidade e bondade? Será que o combate da pobreza utilizando certos meios não é uma forma de perpetuar a própria pobreza em nome do politicamente correto? Mas fica para um próximo post. 

4 comentários:

Aprendiz disse...

Gutierres

Sempre me pareceu que o que hoje se chama de missão integral sempre aconteceu no meio cristão. Até o fim do século XIX, grande parte da educação pública nos países anglo-saxões era feita por entidades fundadas por religiosos. A educação fundamentalmente estatal foi algo posterior, baseada nas idéias da revolução francesa (uma revolução sobre a qual muitca coisa horrível pode ser dita). Também a obra de ajuda aos doentes era imensamente forte. Tudo isso numa época em que os recursos totais disponíveis em cada país eram imensamente mais restritos que hoje.

Diria até que o discurso da missão integra parece uma forma de reescrever o passado, fazendo parecer aos jovens que não tem perspectiva histórica, que a obra social da Igreja começou agora.

Gutierres Siqueira disse...

Bem lembrando, Aprendiz.

Os hospitais e as universidades nasceram com o cristianismo.

Pb. Saule Luiz P. Goedert disse...

Graça e Paz Gutierres,

Recebi seu post por intermédio de um amigo, gostei do tema proposto e digo que, a famosa "politicagem" que existe no pentecostalismo referido, nunca deixará de existir e não somente aqui, mas em todos os meios onde há envolvimento entre as pessoas, seja no meio religioso, profissional, entre outros. O que precisamos fazer, e isso concordo plenamente, é não nos conformarmos com o andamento destrutivo em que caminha a humanidade,sem influenciarmos as pessoas que estão a nossa volta, para o bem.

Grande Abraço!

Se quiser conhecer o Rabiscos, segue o link:

http://saulegoedert.blogspot.com/

Aprendiz disse...

Ola Gutierres

Eu disse isso porque alguns que falam de "missão integral" parecem querer esquecer o passado. Não haverá sabedoria para percorrer o futuro, se não houver clareza e honestidade quanto ao passado. Por esse motivo, cheguei a me irritar com certos pregadores da missão integral. É irritante ver pessoas achando que descobriram a roda.