Pesquisar este blog

Carregando...

terça-feira, 16 de agosto de 2011

A Árvore da Vida


The way of grace or the way of nature (frase da mãe graciosa)
Porque nos criastes para Vós e o nosso coração vive inquieto, enquanto não repousar em Vós (Agostinho em Confissões)





Em uma pequena cidade do Texas vive um casal com três filhos. O pai é rígido (Brad Pitt) como a natureza e a mãe (Jessica Chastain) é doce como a graça divina. O filho mais velho (Sean Penn) odeia o pai na infância e resgata sua história da década de 1950 enquanto observa a grandeza da natureza entre os prédios espelhados de Chicago. É um filme sobre o conflito existencial do vazio diante da grandeza e indiferença da natureza que está sobre o controle de um Deus amoroso que muitas vezes parece distante.

Qual o sentido diante da morte prematura na guerra? Da ferida na cabeça que marca uma criança durante toda a vida? Do desemprego diante de uma carreira frustada? Do pecado descoberto na inocência da infância? Da maldade inata? No pai autoritário? Eis algumas questões colocadoa. E Deus? Parece distante, mas sempre perto. 

O filme A Árvore da Vida (The Tree of Life, EUA, 2011, Imagem Filmes) foi lançado na última sexta-feira nas salas de cinema de todo o país. É um filme simplesmente fantástico e vencedor de melhor filme da Palma de Ouro no Festival de Cannes. Sim, como o próprio título lembra há uma alusão religiosa no filme. É agostiniano quando lembramos do livro Confissões.

O diretor misterioso Terrence Malick, que é também filósofo, trabalha vários questões sobre o sentido da vida diante do que parece ser sempre o vazio. Malick escreveu e dirigiu o filme. O filme não é nenhum blockbuster, mas os efeitos especiais sobre a origem do universo são sensacionais. Os efeitos são de Douglas Trumbull, o mesmo produtor de 2001- Uma Odisseia no Espaço (1968).

Malick introduz várias passagens do Livro de Jó no decorrer do filme, tanto na epígrafe quanto nos sermões que a família ouve na igreja. Jó, o justo, sofre sem nenhum sentido e busca respostas de Deus. Deus permanece calado por um longo tempo, enquanto os amigos de Jó o acusam de pecado. Mas quando Deus fala Ele repreende os amigos de Jó e nada responde, mas simplesmente coloca mais perguntas. Deus pergunta para Jó: “Onde você estava quando lancei os alicerces da terra? Responda-me, se é que você sabe tanto” (Jó 38.4 NVI). É a passagem usada na epígrafe. 

Eu recomendo. Assista o trailer aqui.

3 comentários:

G. H. disse...

Gutierres, os efeitos especiais não são de Stanley Kubrick (1928-1999). Eles são de Douglas Trumbull que também foi supervisor dos efeitos da obra-prima de Kubrick - 2001: Uma Odisseia No Espaço.
Um grande abraço amigo!

Gutierres Siqueira disse...

GH,

Nada como ter um amigo cinéfilo... Rsrs Valeu pela correção.
u pela correção.

Leandro Teixeira disse...

Legal, me deu vontade de assistir!