Pesquisar este blog

Carregando...

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Mais protestantes tradicionais?

Quem diria? O "Novo Mapa das Religiões", um estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV-RJ) coordenado pelo economista Marcelo Neri, aponta um crescimento interessante dos protestantes tradicionais no Brasil. Segundo o estudo, os tradicionais cresceram mais do que os pentecostais. A FGV aponta que os tradicionais passaram de 5,39% da população em 2003 para 7,47% em 2009, enquanto que os pentecostais mantiveram-se estáveis em 12%. 

Ainda é cedo para afirmar e reafirmar essa tendência, pois só teremos números precisos com a divulgação do Censo 2010. Se confirmada na divulgação dos dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), então o Brasil será um dos poucos países ocidentais a apresentar crescimento do protestantismo histórico. A Europa, especialmente, está falindo não somente nas contas públicas, mas também na ausência de fiéis nas igrejas tradicionais. 

É cedo também para afirmar um freio no crescimento pentecostal. É certo que a Assembleia de Deus, a maior representante do pentecostalismo no Brasil, está crescendo cada vez menos, mas há milhares de pequenas igrejas carismáticas com um dinamismo forte e atuante. Além disso, o neocalvinismo é pentecostalizado na liturgia musical e um tanto na teologia pneumatológica.  

Classe social 

O estudo também revela o que todos sabem mais ou menos: os tradicionais estão concentrados nas classes A e B (ricos e média alta) e os pentecostais nas classes C e D (média e pobres). Em entrevista ao jornal Valor Econômico, o economista Marcelo Neri afirmou: "Nas décadas perdidas [em relação à economia], os ganhadores foram os evangélicos pentecostais. A nova pobreza aderiu em massa aos pentecostais. Agora eles ficaram estáveis e quem mais cresceu foram os evangélicos tradicionais". 

Neopentecostais 

Outros estudos apontam queda no número de membros da Igrejas Universal do Reino de Deus (IURD). Edir Macedo, que agora é mais empresário de mídia do que líder religioso, viu muitas de suas "ovelhas" buscando outro "pastor" chamado Valdomiro Santiago. O crescimento da Igreja Mundial do Poder de Deus é mais fruto do esvaziamento da Universal. A Renascer, após os escândalos, também sofreu abalos no número de membros e congregados. 

Bom, vamos esperar os números do Censo que clarearão melhor esse novo mapa religioso no Brasil. Os novos números ainda não divulgados parecem apontar algumas certezas: 1) queda no número de católicos 2) crescimento dos sem-religião 3) crescimento dos protestantes 4) crescimento de religiões não cristãs 5) maior concorrência no mercado neopentecostal etc. 

12 comentários:

Gutierres Siqueira disse...

Caros,

Depois de escrever este texto vi que o reverendo Augustus Nicodemus também analisou os mesmos números. Leia no:

http://tempora-mores.blogspot.com/2011/08/ue-e-igreja-tradicional-cresce-no.html

Talita Cristina M.Santos disse...

Os evangelicos sem vínculo com igrejas tambem cresce...
http://migre.me/5yYfJ

Aprendiz disse...

Uma explicação?

Quando uma pessoa é iludida numa igreja "neopetencostal", eventualmente cai em si. Se não se afasta totalmente do evangelho, costuma buscar uma igreja histórica, por uma questão de segurança. Isso explica o menor crescimento das neopetencostais em relação às históricas. Há milhões de ex-iludidos que já saíram de lá, e para lá não querem voltar.

Quanto às petencostais tracidionais, muitos jovens eventualmente se cansam de seus critérios um tanto arbitrários sobre usos e costumes. Costumes criados pelos homens, enquanto muitas vezes o pecado corre solto.

Eventualmente muita gente vai se cansar também da tradicionais. A maioria entrou nessas ondas de marketing, e isso tem prazo para se esgotar. Os membros são incentivados a ficar nas igrejas por motivos egoístas. Para muitos, o evangelho não é uma questão de busca da Verdade, mas de sentir-se bem. A perseguição já começou, e ninguém se sentirá bem sendo perseguido. Eventualmente, só manterá o nome de cristão aquele que amar a Verdade.

A Paz do Senhor, irmão Gutierres.

Anônimo disse...

cara, esse negócio de neocalvinismo ser mais pentecostal na liturgia musical não fez sentido nenhum pra mim.

Os neocalvinistas não é daquela turma holandesa? Que eu saiba nenhum deles abriu nenhuma prerrogativa pentecostal. No máximo poderiam crer na contemporaneidade dos dons, mas daí a pentecostalizar é totalmente diferente.

Será que vc não tá confundindo com o NOVO calvinismo? Mas mesmo assim esse não tem nada de pentecostal, nem na liturgia, nem na teologia.

Robson Cota

Gutierres Siqueira disse...

Caro Robson,

Quando falo em liturgia musical pentecostalizada, por favor, não pense em Cassiane ou Harpa Cristã, mas sim na influência mundial do Hillsong. O Hillsong, a AD australiana, influenciou a musicalidade dos novos calvinistas. É nesse sentido que quero expressar.

A teologia do Espírito Santo dos novos calvinistas pode ser expressa na obra de Wayne Grudem, por exemplo, que é quase pentecostal. Grudem é, inclusive, admirador de Donald Gee.

Não é à toa que pregadores calvinistas mais tradicionais como John MacArthur desaprovem o novo calvinismo.

Alliadoo disse...

Há um fenômeno muito interessante e ainda embionário: o pentecostalimo reformado (encabeçado por algumas congregações da AD).

A internet tem funcionado como o maior meio de divulgação da Teologia Reformada e de pregadores históricos. Isto tem aberto os olhos de uma geração que busca o entendimento da Verdade.

Pessoalmente, vejo na igrejas históricas baseadas em Wesley, Calvino, Spurgeon, o destino das mentes pensantes no meio evangélico.

Permaneçamos firmes!

Anônimo disse...

MEU CARO GUTIERRES ESSE CRESCIMENTO DOS PROTESTANTES TRADICIONAIS É FACIL DE EXPLICAR PELA INCLUSÃO PELA PESQUISA DOS ADEPTOS DA IGREJA BATISTA ROTULADOS DE REFORMADOS PELA FGV, PORÉM, BASTA UMA SIMPLES OLHADA QUE A MAIOR PARTE DOS BATISTAS SÃO MEMBROS DE IGREJAS RENOVADAS, ISSO INFLOU O NÚMRO DE MEMBROS DAS IGREJAS TRADICIONAIS.CARLOS

Alliadoo disse...

Isso também é uma verdade. Nesta sexta fui num evento evangelístico numa PIB. Era um baile funk. O pr. dos jovens utilizava termos destacadamente neo-pentecostais: células, rede de jovem, se vc quer prosperar plante uma semente, etc. Falou até sobre uma unção com óleo q fora feita no culto de 4ªf.

Houve a pregação da Palavra, apelo e durante um louvor, notei a manifestação de glossolalia por um membro do ministério.

Na fachada, a inscriação Primeira Igreja Batista da nnnnnn.

Incrível, não?

João Emiliano Neto disse...

É festa! Doideira total, total, total!

Mais protestantes tupiniquins com pedigree: históricos! Glórias sejam dadas somente a Deus.

Agora, tirando certas doutrinas que julgo erradas da parte de nós, os protestantes por excelência (tradicionais) como uma certa escatologia extemamente especulativa, além do apego a um certo cessacionismo deísta, glórias mesmo sejam dadas somente a Deus pelo crescimento de nós, os protestantes puro-sangue, pois a graça de Deus está triunfando sobre o medo carnal incutido pelas viúvas brasileiras do papismo romano.


Sola gratia! Soli Deo gloria! Ecclesia reformata et semper reformanda est!

Agüero disse...

Olá Gutierres.
Quero antes de mais nada., parabenizá-lo pelo excelente blog. Fiquei admirado com a profundidade ao qual são abordados as matérias., apesar da tua jovialidade(tenho filhos mais velhos que vc.).
Estatísticas... estatísticas... (Afinal estatística esta de órgão do mundo secular).
Assim como num papel totalmente branco, a tendência é nos preocuparmos com um pequeno ponto negro da folha.
Tradicionais, neo-pentecostais ou pentecostais., por que a procupação demasiada quanto ao crescimento de determinado segmento? Não fazemos todos parte de um SÓ REINO... o de JESUS? Abordo estas diferenças em:

http://eugenioaguero.blogspot.com/2010/07/teologia-da-prosperidade.html

Preocupa-me focar e desperdiçar tempo tão precioso para se desvendar, esclarecer ou desvendar motivos de crescimento de determinado segmento cristão.
Fazendo desta maneira não corremos o risco de incorrermos no pecado da EMULAÇÃO?
Também abordo este assunto em meu blog:

http://eugenioaguero.blogspot.com/2011/04/emulacao-faz-parte-do-teu-cotidiano.html

Tenho observado neste mesmo grupo, a preocupação em postar as melhores matérias, ser o melhor blog, amealhar mais quantidade de seguidores tipo, "me siga que eu te sigo".
Afinal, e as vaidades!? As emulações!?
Qual deve ser o foco real de um espaço (UBE) ao qual temos o privilégio?
Expandir, propagar o EVANGELHO DE CRISTO P/SALVAÇÃO DE ALMAS.
Observo homens e mulheres no meio evangélico, dotados de sabedoría, inteligência e conhecimento. Que possam ser usados como INSTRUMENTOS DE PROPAGAÇÃO DE EXPANSÃO DO REINO DE DEUS.
Deus te abençoe!

Aprendiz disse...

Prezado irmão Agüero

Não considerei que os motivos dos colegas, ao comentar essas estatísticas seja uma "disputa" entre correntes dentro da Igreja evangélica. Segundo minha percepção, os irmãos estão tentando entender a realidade. Creio que é útil, até para ter um olhar mais distanciado dos fatos, para orar com sabedoria, e para verificar se a própria visão da realidade é correta.

Mas concordo com o irmão em parte. Não se deve gastar grande tempo com isso, e deve-se considerar também que os critérios adotados na pesquiza, feita por pessoas que não compreendem o evangelho, podem não ser os mais esclarecedores.

A Paz do Senhor

atos henrique disse...

Creio que seja bom para o Brasil o crescimento tradicionais, pelo fato de que nas igrejas tradicionais existe um apego maior as escrituras e ao conhecimento biblico e secular, além deles serem mais sóbrios em seus posicionamento sobre temas de impacto social. Já o mercado neopentecostal vai continuar crescendo enquanto houver pobresa, sofrimento, ignorancia e ganancia para ser explorada. Para terminar os pentecostais tradicionais devem tomar consciencia de que devem basear seu pentecostalismo na bíblia e viver sobe seu domínio ao invés de se neopentecostalizarem como muitas fazem.