Pesquisar este blog

Carregando...

domingo, 16 de outubro de 2011

O pecado do "curso básico"!

Convivo com muitas pessoas que fazem ou já fizeram um curso básico de teologia. No contexto assembleiano essa modalidade de curso é um verdadeiro sucesso. Mas, já indo para o foco deste texto, destaco que a formação básica em teologia é básica "até demais". E pior, muitos que fazem tais cursos acham que são especialistas no assunto. Quando sou ignorante e reconheço minha ignorância estou no caminho certo, mas quando sou ignorante e acho que sou sábio caminho para a tragédia.

Não, este não é um texto contra a teologia. Jamais escrevei contra a teologia. Acho detestável qualquer tipo de anti-intelectualismo. Escrevo contra a "pouca teologia". O problema é teologia de menos e não em demasia. Certo vez encontrei um rapaz que se apresentava como teólogo só porque tinha feito um curso básico de teologia. É a infantilidade misturada com a mania de grandeza que tanto afeta os pentecostais. Precisamos de mais teologia, muito mais. E menos de teólogos de apostila.

Como alguém se diz estudante de teologia e nunca leu a Bíblia toda? O objeto de estudo da teologia é a Bíblia. O teólogo que não lê a Bíblia é como o jornalista que não lê jornal, o ator que não ensaia, o crítico de cinema que não assisti filmes, o cozinheiro que detesta cozinha etc. Como alguém se define teólogo protestante e não conhece os principais nomes da teologia contemporânea? E aquele que nunca leu um único clássico? Ou pior: não compram livros!

Infelizmente, temos até "teólogos" que têm preguiça de ler a Bíblia e bons livros. Não é à toa que a qualidade teológica da igreja evangélica esteja tão fraca. Alguns ficam fascinados com a "intelectualidade" da velha escola teológica iluminista e outros se fecham em um fundamentalismo "à la regular" misturado com misticismo de tendências anti-intelectuais.

Mais teologia deve ser o nosso foco. Mas uma teologia de qualidade. A igreja brasileira já não é uma criança, pois passou da hora de crescer. 

13 comentários:

Mario Sérgio disse...

Realmente, o tal do curso básico das nossas igrejas é básico demais. Muitos obreiros o fazem, mas como você bem afirmou, acham que é o máximo. Parabéns por trazer esse tema para discussão. Precisamos rever algumas práticas. Abraços!

zwinglio rodrigues disse...

Tenho um diplominha de bacharel e tenho pavor quando dizem que sou teólogo. Vem o mano com o básico e não sente vergonha de autodenominar-se teólogo. Fala pra ele que é melhor, ainda, denominar-se "tiólogo" /rsrs/.

Abraços Gutierrres!

Nemex1975 disse...

Paz!
Não adianta reclamar: pentecostais não gostam de se aprofundar porque alguns de seus líderes não se importam de terem assessores de meia qualificação. 

E alguns líderes mantém esse nível de meia exigência por não interessar ter pessoas por perto que possam questionar suas práticas controvertidas dentro de suas igrejas. 

Nada mais útil do que um assessor que é mais bajulador que crítico, justamente por não ter fortes bases conceituais. 

Até parece que algumas igrejas evangélicas voltaram à época em que a Bíblia e a Teologia eram interditadas ao povo porque "poderiam se confundir", então melhor a Bíblia passar pela lente do líder antes de ser repassada ao povo fiel. Até quando?

Paulo disse...

A paz do Senhor,irmão.

Entendo que o cerne da questão está na PRÁTICA BÁSICA DE VIDA CRISTÃ (Mt cap 5,6 e 7), que caiu em desuso.

O Mestre Nicodemus que conversou com Jesus, não entendia nem praticava o PRIMEIRO PASSO BÁSICO, "O nascer de novo", (e era Mestre).

"Nível" e/ou "níveis" de diplomas são questões de jactâncias.

PAULO MORORÓ

claudiopimenta disse...

sem duvidas e basico demais


mas os profundos demais tambem deixam a desejar


ja vi caba abobrinha!


mas o problema dos basicos e que foi criado justamente para pessoas de baixa ou quase nenhuma escolaridade

mais ou menos um curso de como pegar num microfone e nao avacalhar a coisa!

Anônimo disse...

Saudações em Cristo!, considero o curso básico em teologia como a porta de entrada para se estudar teologia.
Fiz o curso básico e o médio pelo ICP, e aprendi muito, cresci espiritualmente. Mas concordo que ambos são apenas o inicío de uma longa caminhada para se aprender mais e mais da palavra de Deus.
Nossa igreja precisa se aprofundar mais e mais no estudo da palavra, pricipalmente nossos obreiros que pregam tantas besteiras (nem todos é claro).
Outro dia no culto de ceia em minha igreja, o obreiro que pregou (pregou????), só falou contra os irmãos que usam bermudas, que vontade de me levantar e ir embora pra minha casa.
Por aí vc vê o que muitos ministros falam quando tem poprtunidade.

Abraços no amor de Cristo - Pb. João Eduardo Silva - AD Min. Belém - SP.

Elizabeth Pacheco disse...

Passo sempre pelo seu blog. E gosto muito. Fiz Teologia na FAECAD e estou pós-graduando "Ciências da Religião" na faculdade do Mosteiro de São Bento. Por isso achei o tema em questão de suma importãncia. É isso mesmo. Existe muitos crentes que "ainda" desprezam o estudo teológico acadêmico. Quanto aos seminários... os das assembléias de Deus por exemplo, são precários, em todos os aspectos. Não investem em bons professores, muito menos num ambiente confortável para os alunos. Cria-se um nome, a partir dai os núcleos vão se multiplicando...em péssimas condições. Precisei estagiar no sétimo período da faculdade teológica num desses seminários, presenciei essa realidade.
Paz.

Jefferson Faria disse...

Prezado Gutierres, a problemática apresentada,por incrível que pareça,é nova, principalmente nos cursos e seminários das denominações pentecostais. A abordagem que você faz a este assunto, muito comedida, tem sido feita por mim nos cursos básico em Teologia de uma determinada instituição de ensino teológico da qual sou coordenador pedagógico. Gostaria de eliciar a sua abordagem alguns fatores preponderantes: o grau de escolaridade dos alunos,a suposta espiritualidade destes em detrimento ao conhecimento teológico e por fim, a formação inadequada de alguns professores que lecionam nestes cursos.

Edinei Siqueira disse...

Há cerca de 15 anos que venho ensinando em Seminários e tenho notado o descaso para com a teologia e a área de ensino em si nas ADs.
Além da falta de estrutura como: salas de aulas adequadas, material didático, instrumentos educacionais, existe também a cultura da teofobia que foi implantada na mente dos pentecostais.
A frase: "A letra mata" tem sido o jargão dos anti-intelectuais.
Por vezes até em cursos médios alunos interrompem a aula para perguntar o que significa teofania.
Voc~e não pode nem citar termos teológicos ou nomes de teólogos que dá para notar o total desconhecimento dos alunos. Isto sem dizer nos professores sem bagagem.

Pb. Edinei, Th.B

Anônimo disse...

Assino aonde????

Att em Cristo,

Ilmar Neves de Paula Filho

arthur vasconcelos disse...

Realmente a teologia em nosso país é tratada de forma superficial. E mais me incomoda é que os que não estudam teologia querem discutir em pé de igualdade com quem estuda. É como alguém que só tem o Ens. Médio querer dizer que um advogado está errado. #realidadebrasilera!

Anônimo disse...

Graça e Paz Irmãos!
Sou de uma denominação de pequeno porte como vocês dizem "Pentecostais ignorantes".

O problema nunca foi a teologia, eu a faço e pretendo fazer um bacharel e mestrado.
O grande problema é que muitos lideres de igrejas colocam nucleos de teologia em sua igreja e libera pra todo mundo sendo crentes firmados na palavra e novos convertidos.

E vocês hão de concordar que ha muito secularismo e ensinos que não edificam,quando não tem heresias e quem ja esta firmado na palavra não apenas leitores de Biblia , mas meditadores que óram e jejuan não ha problemas, mas tem aqueles que não leem a biblia não oram e muito menos jejuam.

Estes é que são perigosos porque alem de serem novos convertidos não terem o Espirito Santo como seu principal professor; começam a confundir o espiritual com o literal Pedro com o papa João Batista com Elias e assim vai.

Então basta a cada lider acompanhar o que esta sendo ensinado a suas ovelhas, pois é ele quem vai dar conta delas e incentivar as ovelhas a novas convertidas antes de fazer um curso de teologia, seja ele qual for a orarem jejuarem e meditaren na palavra pura pelo menos nos primeiros anos de conversão.

obs: isto não é regra nem doutrina mas a minha opinião.

MSPotela disse...

Mais o pior de tudo quando o irmão frequenta um núcleo de algum curso de teologia básico, e chega o dia de ir para a aula sem se quer abriu a apostila para dar uma olhada no material. E dentro da sala de aula fique questionando o professor no qual se dedica para dar o seu melhor, e o tal "irmão estudando de teologia" atrasa todo o plano de aula fazendo perguntas tolas e sem fundamentos. É nestes momentos que fico envergonhado.