Pesquisar este blog

Carregando...

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Queda

Por Gutierres Fernandes Siqueira

Compartilho com vocês um trecho do artigo "Por que acredito no Cristianismo" do escritor G. K. Chesterton (1874- 1936). Chesterton, para quem não conhece, foi um jornalista e ensaísta britânico que se tornou uma das principais vozes apologéticas do século XX. As ideias de Chesterton influenciaram outro grande escritor e apologista, o irlandês C. S. Lewis (1898- 1963). Nesse trecho, o escritor Chesterton expõe com clareza, como era de sua natureza, a verdade cristã sobre o tema da Queda. Leia:
Finalmente, há uma palavra a dizer sobre a Queda. Só poderá ser uma palavra, e ela é esta. Sem a doutrina da Queda, toda a idéia do progresso é sem sentido. O Sr. Blatchford diz que não houve uma Queda, mas uma ascensão gradual. Mas, a própria palavra “ascensão” implica que você saiba em que direção está ascendendo. A menos que haja um padrão, você não pode se dizer em ascensão ou em queda. Mas o ponto principal é que a Queda, tal como todos os outros largos caminhos do cristianismo, está embebida, invisivelmente, na linguagem comum. Qualquer um pode dizer, “Muito poucos homens são realmente humanos.” Ninguém diria, “Muito poucas baleias são realmente, ‘baleiais’.”
Se você quisesse dissuadir um homem de beber sua décima dose de whisky, você bateria em suas costas e diria, “Seja homem.” Ninguém que desejasse dissuadir um crocodilo de comer seu décimo explorador, bateria nas costas da fera e diria, “Seja crocodilo.” Pois, não temos nenhuma noção de um crocodilo perfeito, nenhuma alegoria de uma baleia expulsa do Éden ‘baleial’. Se uma baleia viesse ao nosso encontro e dissesse: “Eu sou um novo tipo de baleia, eu abandonei a ‘baleiez’,” não deveríamos nos preocupar. Mas, se um homem viesse até nós (como muitos logo virão) e dissesse, “Eu sou um novo tipo homem. Eu sou o super-homem. Eu abandonei a misericórdia e a justiça;” deveríamos responder, “Sem dúvida você é novo, mas nem um pouco parecido com o homem perfeito, pois este sempre esteve na mente de Deus. Caímos com Adão e ascenderemos com Cristo; mas preferimos cair com Satã, que ascender com você.”
G. K. Chesterton
Publicado em: The American Chesterton Society
Traduzido por: Antonio Emilio Angueth de Araujo

3 comentários:

Ricardo Rocha disse...

Sério, o Chesterton é gênio demais. Dá gosto ler cada coisa que esse homem escreve.

jurandir alves disse...

Caro Gutierres

Boa dose homeopatica...rsrsr!!!

Gilvan Albuquerque disse...

G. K. Chesterton deveria ser lugar-comum na academia. Mas isso não acontece, pelo contrário, Chesterton é desconhecido , quando não, desprezado. Sou graduando em filosofia e posso afirmar que: infelizmente os acadêmicos brasileiros são movidos por preconceitos e por modinhas. Aliás, a bola da vez é Nietzsche, Paul Ricoeur e Jacques Derrida. Nada contra tais autores, gosto deles. Mas, em minha opinião, Chesterton é tão bom quanto! O grande problema do Chesterton, é que ninguém consegue etiquetá-lo.