Pesquisar este blog

Carregando...

sábado, 3 de dezembro de 2011

Lição 10- O Exercício Ministerial na Casa do Senhor

A Pregação Expositiva

Por George O. Wood

(Continuação)
Leia a primeira parte aqui.
Leia a segunda parte aqui.

O que o texto diz?

Como faço para que esses versículos saltem da página aos corações das pessoas a quem ministro? Isso é obra do Espírito Santo e também minha responsabilidade. Tal esforço não terá êxito sem oração. Por conseguinte, fundamental em todo o estudo é o ato e a atitude de oração: “Senhor, ensina-me primeiro o que esta passagem está dizendo para mim, e depois abre-a aos corações do povo”.

[...] Portanto, as três coisas que requerem mais trabalho no preparo do sermão, depois da exegese, são: o título e a introdução da mensagem [...], o assunto [...] e a conclusão [...].

Os pregadores expositivos diferem em qual dos itens acima se ocupam primeiro no processo de preparação do sermão. Alguns, como os advogados, preferem começar com o rascunho do sumário ou da conclusão. Outros dão as primeiras atenções à introdução, tratando-a como a nascente do fluxo do sermão, acreditando que o restante da mensagem seguirá o canal iniciado pelas palavras de abertura. Quase sempre, me concentro primeiro na formação do assunto e no esboço.

[...] Dentro desse processo ou em sua conclusão, procuro cristalizar a mensagem em um título apropriado. Por exemplo, é difícil dar um título a Mateus 28.18-20 que não seja “A Grande Comissão”. Esse é o nome dado ao longo do curso da história cristã. Talvez, para causar impressão, pudesse ser tentado uma variação: “A Grande Co-Missão”. Você pode escolher um título mais criativo ou contemporâneo. Entretanto, evite títulos que prometam mais do que possam cumprir, ou que induzam ao erro, ou que desvirtuem o conteúdo do texto.

Empregando o título histórico, passo a imaginar: O que há de tão grande acerca da Grande Comissão? Em outras palavras, por que foi inserida a palavra “grande”? O termo “grande” não aparece no texto em si. Quanto mais refletia nessa questão (e a preparação de um bom sermão exige que você faça considerável oração, meditação e reflexão), mais percebia que o próprio texto a respondia. A grande comissão é grande porque contém uma grande proclamação, uma grande responsabilidade e uma grande garantia! E aí está: tanto o assunto quanto o esboço apresentados em uma única sentença. Posso usá-la durante todo o sermão!

Na introdução, posso perguntar: “Por que chamamos essas palavras de Jesus de ‘A Grande Comissão’?” Em seguida, a parte central do sermão responde à pergunta. Primeiro, porque faz uma grande proclamação: “Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra” (ARA). Segundo, porque acarreta uma grande responsabilidade: “Fazei discípulos” (ARA). E, terceiro, porque nos dá uma grande garantia: “Eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século” (ARA). Na conclusão, retorno a estes temas. Você já aceitou a proclamação de Jesus? Já agiu de acordo com a responsabilidade dada? Está plenamente certo da garantia que Ele nos prometeu?


Para mim, o título, o assunto e a conclusão servem mais ou menos como as figuras de um livro de colorir. Não posso pintar as gravuras, a menos que veja os seus contornos. De maneira cuidadosa e metódica, começo a rabiscar minhas notas para a mensagem. No topo da página, escrevo o título: “A Grande Comissão”.

Depois, vem um parágrafo chamado “Introdução”. Na pregação expositiva, o objetivo ordinário de todas as introduções é pôr o texto nas pessoas e as pessoas no texto. Uma maneira simples de resumir uma introdução à Grande Comissão é observar que, no Evangelho de Mateus, essas são as últimas palavras de Jesus ditas aos discípulos, sendo também suas últimas palavras para nós. Foi essa a mensagem que comissionou os discípulos, e é também a nossa. Se as últimas palavras pronunciadas por um ente querido antes de morrer são importantes, quanto mais as últimas palavras do Cristo ressurreto!

A partir disso, a primeira ênfase principal se desdobra: “A grande proclamação”. Se você fez o trabalho exegético no contexto maior do Evangelho de Mateus, será instantaneamente levado a Mateus 4.8-10, onde Jesus, no início do seu ministério, rejeitou a oferta do diabo de “todos os reinos do mundo e a glória deles”. Você fará ver que Jesus, no fim do seu ministério, não poderia ter feito tal proclamação se no começo tivesse cedido à tentação do diabo. A mesma relação se dá em nossas vidas. O poder com Deus vem pelo caminho da obediência, resistindo às tentações do inimigo [esse exemplo demonstra-nos a aplicação pessoal do texto].

Você também quererá enfatizar a proclamação universal de Jesus. Sua autoridade se estende a todo céu (algo que o diabo não pode oferecer, visto que ele não está no céu e não tem autoridade lá) e à terra. Jesus está nos dizendo que naquele dia não teremos de prestar contas a Maomé, Buda, Confúncio ou qualquer outra pessoa. É a Jesus que daremos conta.

Eu não poderia ter alcançado esse discernimento sem ter relacionado o texto imediato a todo o texto. A pregação expositiva requer que o pregador desenvolva a passagem dentro do seu contexto: imediato (capítulo e livro da Bíblia) e geral (a totalidade das Escrituras). Somente quando fiz o trabalho de concordância com a palavra “todo” no Evangelho de Mateus, foi que me ocorreu a observação de que deveria relacionar Mateus 4.8,9 com Mateus 28.18-20. Semelhantemente, continue com o trabalho de relacionar Escritura a Escritura.

[...] O Sermão rapidamente chega a uma conclusão. Confiando na ação do Espírito Santo, procure levar as pessoas a tomarem uma decisão. Já aceitaram a proclamação de Jesus? Já admitiram a responsabilidade que Ele mesmo deu? Vivem na garantia que Ele fez? [...] É o momento em que elas podem responder à Palavra pregada, entregando-se a ela.

Meu propósito em levá-lo através da pregação de Mateus 28.18-20 é simplesmente dar-lhe uma maquete de como pregar expositivamente. Os princípios e discernimentos apresentados são aplicáveis a qualquer texto das Escrituras. Não fique surpreso se, quando começar a pregar expositivamente, venha enfrentar dificuldades. Hoje, não desejaria pregar novamente alguns dos meus primeiros sermões expositivos. Como em qualquer outra disciplina, a pregação expositiva vem mais prontamente com a prática. Mas os dividendos valem a pena!

Não há nada que influa mais dramaticamente no seu crescimento espiritual do que a concentração constante na pregação expositiva. Você receberá muito mais do que poderá dar. E as pessoas a quem você prega terão um amadurecimento espiritual mais rápido, pois em vez de ideias humanas você estará colocando a Palavra de Deus em suas vidas.

Texto extraído do: “Manual Pastor Pentecostal: Teologia e Práticas Pastorais”, editado pela CPAD.

Subsídio preparado pela equipe de educação da CPAD.

Nenhum comentário: