Pesquisar este blog

Carregando...

segunda-feira, 5 de março de 2012

Deus não é o cupido!

Por Gutierres Fernandes Siqueira

Como um jovem de 23 anos ouço frequentemente a pergunta se estou namorando ou se tenho planos para casamento, família etc. e tal. Mas recentemente ouvi uma pergunta ainda mais interessante! Uma pessoa quis saber se eu estava buscando uma garota pela “visão”. E eu pensei: como assim?

Olha, um homem costuma procurar uma mulher pela visão. Mas para aquela pessoa a “visão” se referia a uma determinação de Deus da “cara metade” que devemos abraçar. Em um determinismo de botequim, Deus escolhe sobre quem vamos nos apaixonar. Será que o Todo-Poderoso tomou o lugar do cupido, aquele deus mitológico que fere suas vítimas com o despertar da paixão?

Que coisa mais estranha para o pensamento bíblico. Alguns usam Gêneses 24 para justificar o determinismo amoroso. Será que leram o texto direito? No versículo 58 vemos uma pessoa com arbítrio livre: “Chamaram Rebeca e lhe perguntaram: ‘Você quer ir com este homem? ’ ‘Sim, quero’, respondeu ela”. Rebeca precisou tomar uma decisão.

É engraçado que tal pensamento alcança tanto um calvinista quanto um neopentecostal. Eu até entendo um calvinista que acha que Deus predestinou sua namorada, mas por que será que os neopentecostais também olham o relacionamento entre pares como determinação divina? Talvez, no segundo caso, a influência não seja o calvinismo, mas sim o determinismo animista da cultura popular, pois esse acredita em uma “cara metade” ou em uma “pessoa certa que nasceu em algum lugar no mundo”.

Deus não intervém no relacionamento homem/mulher?

Bem, para muitos seria confortável colocar a culpa em Deus pela “mulher que tu me destes” (Gn 3.12). Mas a síndrome de Adão não pode prevalecer. A escolha é humana. Adão poderia rejeitar a oferta da esposa, mas não rejeitou e depois colocou a culpa em Deus. Quantos acreditam em um determinismo casamenteiro e, mediante uma crise conjugal, pensam que não “nasceram para aquela pessoa”.

Deus orienta o relacionamento cristão pelos princípios de sua Palavra. Existe um cônjuge certo ou errado? Bem, você saberá disso não por uma “profecia casamenteira”, mas pelos princípios gerais da Palavra que se aplicam particularmente em cada caso. Existe “a” pessoa certa? Não, existe sim uma escolha, ou seja, existe uma escolha pelos motivos certos ou pelos motivos errados.

Esse deus não é o Deus de Israel!

Deus é soberano. Ele tem todo o poder sobre tudo e todos, mas Ele mesmo escolheu que a nossa vida não seria de marionetes.

O determinismo casamenteiro é perigoso pelos seguintes motivos:

1. O determinismo casamenteiro traz a responsabilidade de uma importante escolha humana para Deus.

2. O determinismo casamenteiro é uma terceirização da responsabilidade.

3. O determinismo casamenteiro infantiliza a relação do homem com Deus.

4. O determinismo casamenteiro acredita em profecias casamenteiras.

5. O determinismo casamenteiro induz convenientemente o sujeito casado, em crise conjugal, a pensar que a sua “cara metade” não está ao lado em sua cama.

6. O determinismo casamenteiro diz que qualquer crise familiar é porque o casal não “estava na visão”. Ora, ora, um casamento isento de crise é mera fantasia.

7. O determinismo casamenteiro induz o iludido a procurar o “par perfeito”.

Portanto, como já saímos da fralda há muito tempo, logo é hora de crescermos! Avante!

12 comentários:

Victor Leonardo Barbosa disse...

Olha o mano, abrindo o coração, hihi...creio que nessa questão, um dos mais preciosos auxílios vem do livro de provérbios: "Quem acha uma mulher acha uma coisa boa e alcançou a benevolência do Senhor", em outro trecho: "A casa e a fazenda são herança dos pais, mas do Senhor vem a mulher prudente". Ambas as verdades são testemunhadas na Bíblia, a soberania de Deus e a responsabilidade humana. Sendo que no próprio livro de provérbios, há um constante alerta sobre o perigo de se ter uma "briguenta" ou "sem discrição", o que implica um alerta contra escolhas imprudentes.

No caso de Rebeca é importante notar que antes da escolha dela, há a providencia de Deus em resposta a oração do escravo de Abraão. Ou seja, a escolha foi Rebeca, mas isso não aconteceu a parte da vontade de Deus.

Em outras palavras: num te preocupa mano, a tua benção vai chegar! RSRSR

Gutierres Siqueira disse...

Caro Victor,

Este é um blog de teologia e não a porta dos desesperados, rsrsrs.

E você lembrou bem um casamento perfeito: Soberania de Deus e responsabilidade humana!

Grande abraço!

Oseias B. Ferreira disse...

Caro amigo Gutierres,

Você já imaginou quantos casamentos já foram “arranjados” por meio de “profecias”, “visões” etc.? Eu mesmo tive o desprazer de conhecer inúmeros deles.

(E olha que essa banalização dos dons espirituais não foi introduzida somente pelos neopentecostais. Isso é antigo mesmo no pentecostalismo clássico.)

A grande falha da igreja pentecostal brasileira foi a sua deficiente capacitação de líderes em décadas passadas, o que forçosamente resultou que o falso profetismo arruinasse a vida de muita gente, já que sua aceitação tinha o peso duvidoso de “Palavra de Deus” também.

Hoje eu penso que os crentes pentecostais estão mais maduros, e não se deixam mais serem levados pelos enganos dos manipuladores profeteiros.

Oseias Balzaretti Ferreira

Paulinho Adorador disse...

Querido irmão, sou leitor assíduo do seu blog e com certeza esse foi um dos textos mais interessantes sobre o tema "casamento" que já li. Me identifiquei bastante porque também ouço as mesmas perguntas. Parabéns pela explanação. Parabéns também para o irmão Victor que acertou em cheio em seu comentário. Gostaria de saber se poderia publicar seu texto no meu blog.
Graça e Paz!

Déa Correa disse...

Tenho uma filha de 18 anos e fazemos estas mesmas cobranças.Vou compartilhar o texto com ela.
Texto maravilhoso, inspirado por Deus.

Gutierres Siqueira disse...

Paulo,

Fique a vontade para reproduzir o texto.

Alessandro Cristian disse...

Excelente texto, prezado irmão. Só uma pequena observação: "fralda", e não "frauda".
Deus continue te abençoando.

Gutierres Siqueira disse...

Alessandro, a paz!

Obrigado pela correção.

vinicius disse...

Eu ja tinha compartilhado no face e no comentário que fiz falei sobre a responsabilidade humana e soberania divina, quando logo depois vi o comentário do vitor!! vibrei!! Deus abençoe!!

Felipe Araújo disse...

Concordo!

É triste ver que muitos aderem a ideia de "alma gêmea" coisa que a Bíblia nunca ensinou..E mais: tem gente que deixa de fornicar só por causa da "alma gêmea" ao fez de se santificar para Deus..

Mateus de Souza Alcântara disse...

Mano, vi seu blog pela primeira vez. Gostei da postagem, de fato "visões" e profetadas sobre casamentos é furada. Eu costumo dizer que humanamente, aqui nesta terra, a escolha do cônjuge é totalmente nossa. Agora, creio que não sabemos se no oculto Deus interfere nessas coisas. É difícil chegar a uma conclusão e ponto. Só sei que biblicamente falando aqui na terra nos casamos devemos nos casar com quem melhor parecer aos nossos olhos, e deve ser "da mesma tribo" - outro cristão (Num 36:6).

Eu mesmo sou apaixonado por uma moça, já pedi bastante a Deus, porém parei, pois ela é apaixonada por um outro há alguns anos.

Unknown disse...

Fico muito aliviado em saber que Deus nos abençoou com o prazer de poder fazer nossas próprias escolhas. Estava me sentindo ameaçado com esse tipo de profecia de casar com uma menina que eu não me agrado em nada. Melhor só que mal acompanhado. 😉 Mass ainda espero que essa solidão tenha um fim, mas que seja uma mulher que eu ame, e que me ame também. Casar por obrigação não dá.