Pesquisar este blog

Carregando...

sexta-feira, 23 de março de 2012

Lição 13 - Somente me Jesus temos a verdadeira prosperidade

Subsídio preparado pela equipe de educação da CPAD

O VIVER EM PLENITUDE ― MUITO ALÉM DAS TEOLOGIAS DA PROSPERIDADE E DA MISÉRIA

Por José Gonçalves 

Justo Gonzáles, historiador da Igreja e teólogo, ao fazer um mapeamento sobre a pobreza na história do cristianismo, observou que a tradição cristã sempre sustentou que a pobreza, no sentido literal de carecer dos recursos necessários para a vida como o alimento, o abrigo, as vestes, etc., não é resultado da vontade de Deus, mas do pecado ― mesmo que não necessária ou exclusivamente o pecado dos pobres. Na literatura patrística, em geral, fala-se da pobreza como resultado da riqueza extrema e do uso egoísta do poder por parte de alguns e exorta, repetidamente, os cristãos a compartilharem seus bens com os necessitados. Durante a Idade Média, tais exortações eram tão radicais como foram antes e, portanto, limitava-se a convidar os ricos a darem esmolas aos pobres. Depois da Reforma, conforme o capitalismo se desenvolveu, popularizou-se a ideia segundo a qual os pobres o são como resultado de suas decisões, de sua desídia e sua falta de criatividade, enquanto os ricos o são graças às próprias qualidades.

[...] É fácil perceber que dentro da tradição cristã quando o assunto tratado é um viver próspero, quer seja através da posse de bens materiais, quer seja do desfrutar de saúde plena, não há unanimidade de pensamento. Muitos acreditam que uma vida abundante deve suprimir toda dor, pobreza e sofrimento. Por outro lado, outros acreditam que não se deve possuir nenhum bem material, mas viver em completa pobreza. Todavia a resposta para esse conflito de ideias passa necessariamente por um entendimento correto sobre o valor das realidades material e espiritual. Como um ser com espírito, alma e corpo (1 Ts 5.23), o homem possui necessidades tanto materiais como espirituais. A vida abundante não nega o valor dos bens materiais, afirmando a supremacia do espírito sobre a matéria, e, dessa forma, considerando pecado a aquisição de bens ou posses. Por outro lado, não nega também o valor das coisas espirituais, afirmando que a matéria seja a única realidade existente e que a busca dos valores espirituais são desnecessários. A Bíblia mostra a necessidade de se buscar um equilíbrio entre essas duas realidades.

Texto extraído da obra “A Prosperidade à Luz da Bíblia”, editada pela CPAD.

Nenhum comentário: