Pesquisar este blog

Carregando...

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Lição 09 - A angústia das dívidas

Subsídio preparado pela equipe de educação da CPAD


EU TENHO, ENTÃO EU SOU

Por Julie Ann Barnhil

Lembro-me de um hino que eu costumava cantar quando era menina; um dos versos era mais ou menos assim: “Minha esperança está firmada em nada menos que o sangue e a justiça de Jesus; eu ouso não acreditar no mais belo quadro, mas confiar totalmente no nome de Jesus”.

Eu já não canto aquele hino há muito tempo. E se o fizesse, teria de admitir pesarosamente que a letra do meu hino de fracasso financeiro soaria como algo assim: “Minha esperança está firmada em nada menos que caixas automáticos e planos para enriquecer. Eu ouso não viver dentro de minhas condições, mas gastar meu cartão o máximo”.

Deixe-me ser mais direta e específica. Não é necessário ser prolixa nem tomará tanto espaço para escrever, porque não vou estar usando uma linguagem que você não entenda. (Prossiga apenas quando tiver tirado este sorrisinho do rosto!) Eu só tenho uma chance para explicar, mas isto é um blefe! É o trunfo que supera todos os trunfos! E isto sempre me induz a participar de uma grande atividade maníaca na loja de departamentos mais próxima. Então aqui está em toda esta profunda e superficial glória:

Eu gosto de dinheiro e das coisas que o dinheiro compra. E muito.

• Eletrodomésticos com 75 por cento de desconto em um preço com desconto? Eu gosto.
• Sorvete de chocolate com cobertura de nozes, encontrado no Aeroporto Internacional O’Hare de Chicago? Eu gosto disso.
• Revistas de decoração, moeda, beleza, fofocas? Gosto disso também.
• Pacotes dos distribuidores de livrarias evangélicas? Eu realmente gosto disso!

Não somente gosto destas coisas que o dinheiro compra... Eu sou perigosamente atraída por todo tipo de quinquilharias que julgo serem refinadas.

[...] Nós, fracassados financeiros, parecemos desenvolver uma perigosa paixão por acumular, armazenar, possuir e simplesmente ter coisas. Vamos encarar os fatos, não há muita coisa na terra criada por Deus que eu e outros perdedores financeiros não queiramos! E quanto mais coisas nós tivermos, mais gostaríamos de ter.

É um Mundo Consumista

“E o que há de errado com isto?”, você pode estar se perguntado. Talvez você pense que eu queira persuadi-lo a vender tudo o que tem e ir viver nas montanhas feito eremita. Relaxe, eu não pretendo fazer isto! Nem estou tentando fazê-lo sentir-se culpado por ter uma lista de “coisas a comprar” guardada na gaveta de cômoda.

Não. Não é nada disso.

O que estou tentando dizer é que o problema está em ser acometido pela síndrome do “adquira-e-possua” de nossa cultura, em viver para ter e ter para viver, em ter uma casa cheia de “coisas” ― todas estas coisas raramente satisfazem. A batedeira que você almejava desde 1987 rapidamente perderá seu brilho. E logo logo você estará procurando “mais uma coisinha” para equipar sua cozinha. A casa de quatro quartos com piscina e churrasqueira na qual você depositou todas as suas economias, em algum momento perderá seu brilho também.

E quanto mais ficamos fascinados com as coisas novas que brilham à nossa volta, mais espaço, energia, tempo e dinheiro será necessário para manter o vício do consumo!

Coisas e Caos

Ilyce Glink, uma planejadora financeira [...], faz a seguinte observação:

Quando você compra uma casa grande para acomodar suas coisas, você paga altas taxas, altas contas de luz, altas contas de gás e uma hipoteca maior; somando-se ainda tudo o que estas coisas exigem de custos de manutenção!

Manter ou expandir as coisas que você já tem toma muito dinheiro e tempo. E não estou falando apenas de casas. Coisas simples como uma placa de memória com maior capacidade de armazenamento para o computador do seu filho. Ou “coisas” como férias de família. Apenas visitar um parque temático já o deixa sem algumas centenas de dólares hoje em dia. E Disneylândia? Bem, é mais fácil ganhar uma medalha de ouro olímpica do que passar as férias lá! E não esqueça dos eventos esportivos como jogos de basquete [ou futebol] profissional [...].

Agora, eu imagino que muitos dos leitores ganham consideravelmente mais dólares [ou reais] do que eu e Rick. Outros de vocês mantêm família com salário mínimo. Não é minha intenção fazer um debate entre classes aqui. Pelo contrário, quero chamar sua atenção de perdedor financeiro para simples fato: muitos de nós estamos nadando em dívidas e vivendo um caos conjugal como resultado de nada menos que uma necessidade descontrolada de possuir e acumular coisas. A verdade é que o caos em nosso casamento poderia ter fim se nós simplesmente parássemos de acumular e começássemos a estar satisfeitos com as coisas que já temos.

Texto extraído da obra “Antes que as Dívidas nos Separem: Respostas e cura para os conflitos financeiros em seu casamento”, editada pela CPAD.

Nenhum comentário: