Pesquisar este blog

Carregando...

sábado, 26 de janeiro de 2013

Por que não ocorrem nos dias de hoje os milagres da igreja primitiva?

"A incredulidade de Tomé".
Obra de Caravaggio (1600-1601). 
Por Gutierres Fernandes Siqueira

Sou evangélico pentecostal desde 2001, mas nunca vi pessoalmente nenhum morto ressuscitar ou um cadeirante curado de sua deficiência. Entretanto, já ouvi inúmeros relatos sobre milagres extraordinários [1]. Talvez, você, caro leitor, já tenha visto algum fato fora do comum operado pelo Senhor ou, quem sabe, você tenha um forte testemunho de cura. Eu, por exemplo, ainda muito bebê peguei um sarampo fortíssimo onde o médico falou que a única esperança era sobreviver com sequelas. Graças ao bom Deus, não há nenhum resquício daquela doença. Mas repito: nunca vi um morto ressuscitar ou um cego de nascença passando a enxergar.

Reitero aos mais desavisados  que acredito em milagres e nos dons espirituais para os nossos dias. Aliás, acreditar em Deus e desacreditar de milagres é um raciocínio torto, ilógico, irracional... Bom, mas por que nos dias de hoje não vemos os milagres da primitiva igreja? Vejamos:

1. O livro de Atos é um relato histórico. É da natureza da narrativa histórica destacar os fatos mais importantes. Seja o historiador religioso ou secular, não veremos a menção do dia comum, mesmo sendo o "não-acontecimento" a tomar o maior tempo linear. Isso não quer dizer que os "fatos mais importantes" fossem ordinários. O historiador é um jornalista tardio. Você já assistiu algum jornal noticiando que a dona Maria foi na feira e comprou duas melancias? É claro que não. A notícia é sobre o acontecimento fora do comum. A história, da mesma forma, trata sobre os principais fatos. Portanto, devemos tomar o cuidado de não ler um fato histórico como o corriqueiro, o trivial. Portanto, não é porque você leu vários milagres em Atos que tais sinais fossem diários.

2. O milagre é, em si, extraordinário. O milagre é raro, pois se acontecesse todos os dias deixaria de ser milagre. É uma questão de lógica. Sim, você pode estranhar o fato de uma comunidade dita cristã vivendo em torno do milagre, pois a fé cristã tem milagres, mas não vive em torno dele. Devemos entender que o milagre é exceção e não a regra, o comum, o dia a dia. Paulo, o apóstolo, pergunta os coríntios: “Porventura são... todos operadores de milagres?” [1 Co 12.29]. Evidente que a resposta é negativa.

3. O milagre era a reafirmação da mensagem apostólica. Embora o dom de “poder para operar milagres” [cf. 1Co 12.10 NVI] seja acessível a qualquer cristão em qualquer época, também, é necessário entender que a natureza dos milagres através dos apóstolos visava a confirmação de sua mensagem [cf. At 2.43 comp. Mc 16.20 e At 14.3]. A Igreja Cristã é universal (católica, em grego) e apostólica, pois está baseada na “doutrina dos apóstolos” [At 2.42]. A Igreja está firmada sobre o “fundamento dos apóstolos e dos profetas, tendo Jesus Cristo como pedra angular” [cf. Ef 2.20 NVI]. O milagre, portanto, serviu como um selo de autenticidade da mensagem apostólica. Logo, se concluiu que a diminuição dos milagres no presente momento histórico se dá pelo fato de não estarmos a construir uma nova revelação escriturística. Nós, hoje, não temos a autoridade dos profetas e apóstolos do passado e, assim, a necessidade dessa confirmação sobrenatural é diminuída.

4. Embora Cristo seja o mesmo, a sua operação não necessariamente repete o passado. É muito comum no meio pentecostal citar Hebreus 13.8 para insinuar que o milagre do passado precisa repetir-se nos dias de hoje. O autor aos hebreus quis dizer que a natureza, o poder e o caráter de Cristo nunca mudam, mas não que Ele repete a sua forma de agir. O próprio livro começa informando que a forma de Deus se comunicar não é a mesma, mas passou por mudanças na pessoa de Cristo [cf. 1. 1-2]. Mortos ressuscitaram? Sim, é verdade. Mas na própria Bíblia depois vemos a ênfase sobre a esperança da última ressurreição. Horton escreveu: “Mas como Donald Gee informa (…) há, apenas, dois registros de ressurreição de mortos (Atos 9.40, 20.10). Nos outros casos, foi-lhes indicado o consolo da ressurreição e da volta do nosso Senhor (I Tessalonicenses 4.13-18)”.

5. Milagre não produz conversão,logo devemos nos preocupar mais com a falta da pregação evangélica. Blaise Pascal escreveu:

Se eu tivesse visto um milagre, dizem eles, eu me converteria. Como garantem que fariam o que ignoram? Imaginam que essa conversão consiste numa adoração que se faz de Deus como um comércio e uma conversão tal como a representam para si. A conversão verdadeira consiste em aniquilar-se diante desse ser universal a quem se irritou tantas vezes e que pode legitimamente pôr-vos a perder a qualquer momento, em reconhecer que nada se pode sem ele e que nada se mereceu dele, afora estar em desgraça. Ela consiste em conhecer que existe uma oposição invencível entre Deus e nós, e que, sem um mediador, não pode haver comércio [2].
6. Falta fé.E estes sinais seguirão aos que crerem “ [Mc 16.17]. Este tópico foi colocado por último propositadamente. Embora ache que as explicações já dadas mostrem bem que não devemos nos preocupar com essa pergunta, por outro lado, é inegável que precisamos ter mais fé no Deus no impossível. Sim, muitos milagres não acontecem porque simplesmente oramos mal ou agimos com ceticismo.

Referências Bibliográficas:

[1] HORTON, Stanley M. A Doutrina do Espírito Santo. 1 ed. Rio de Janeiro: CPAD 1993. p 299.

[2] PASCAL, Blaise. Pensamentos. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005. p 143.

35 comentários:

Dicesar K disse...

Estudar é ótimo. Estudar teologia então, é supremo. Porém, falta-te algo: você precisa orar mais; você precisa jejuar mais; você precisa ter mais experiências espirituais; Só assim você verá um milagre a cada instante. Do contrário, você poderá ser curado de câncer e acreditar que não foi milagre...

joão batista maia filho disse...

Você falou muita coisa mas não disse muita coisa em relação ao título do post. Os milagres não acontecerão mais porque só quem os podia realizar eram os apóstolos de Jesus, e o que temos hoje ( pegando leve ) são apenas homens que resolveram viver da igreja, ou seja fazer dos cristãos um meio de vida, alguns( muitos ) até conseguiram enriquecer como temos visto. Você já parou para pensar se um telepastor tivesse feito apenas um único milagre como estes de cura que você citou, como eles não despejariam um tremendo marketing relacionando o marketing à sua igreja ( empresa )e à pessoa dele próprio. Pense nisto.

Gutierres Siqueira disse...

Caro Dicesar,

Você realmente leu o texto? Ora, se leu não entendeu.

Gutierres Siqueira disse...

Caro João Batista,

Falar que milagres já não são para hoje é uma postura deísta.

Anônimo disse...

Caro Gutierres.

Somos crentes pentecostais não somente porque cremos em milagres, mas porque cremos que Cristo não nos deixou órfãos, mas enviou o E. Santo que habita em nós, nos sela como propriedade exclusiva de Deus, nos consola da ausência física de Jesus e nos reveste de poder para sermos testemunhas de Cristo e do Reino de Deus por meio de sinais e obras.
Atos dos Apóstolos sendo um livro histórico não relata que milagres eram diários, mas que eles eram comuns ou um fato, uma realidade, uma verdade vivida pela igreja primitiva. A igreja primitiva só pôde vivenciar aqueles milagres porque do alto foi revestida de poder - conforme Cristo de antemão revelou.
A forma como você se referiu ao texto de I Co 12:29 parece se desviar do que o apóstolo Paulo ensina em todo aquele capítulo. Paulo fala a respeito da importância de se reconhecer que soberanamente Deus distribui dons diferentes aos crentes e que ninguém deve se sentir superior ou inferior por ter determinado dom. Deve é saber usá-los adequadamente. Em nenhuma parte do Novo Testamento temos registro que o milagre é exceção, e não a regra, o comum do dia a dia. É verdade, que também não temos o oposto. E não poderia haver já que a Bíblia não se contradiz. A realização de milagres é um dom, assim como o de curar, falar em línguas, interpretar línguas, tal qual lemos claramente em I Co 12. E, de fato, é claro, o dom de milagres não foi dado/não é dado a todos os crentes, assim como o dom de interpretar línguas também não foi e não é dado a todos. Todos também não são pastores. E nem mestres. Por isso, Paulo fala da diversidade dos dons e da importância da união entre os crentes.
O apóstolo Pedro foi muito claro em dizer que há um sacerdócio universal (I Pedro 2:4-5), cuja pedra angular é Cristo, o mesmo que soberanamente distribui os dons espirituais. Não há nenhuma referência bíblica que os crentes de hoje não têm a autoridade dos profetas e dos apóstolos. Afinal, com autoridade de quem um crente evangeliza, prega a Palavra, ensina, faz missões, intercede em orações, cura, expulsa demônios, leva a luz que é Cristo para onde há trevas (Atos26:18)? Quem nós dá autoridade de falar “em nome de Jesus Cristo”? O que faremos com Marcos 16: 15-18? Vamos descartá-lo e dizer que o Ide era apenas para os apóstolos? Creio que não. Creio que ele seja para todo o crente que é revestido do poder do alto.
Reconheço que milagre não produz conversão, porém é um testemunho do poder de Deus anunciado pela pregação da Palavra. A questão não é se preocupar mais em pregar a Palavra e usar menos os dons. Entendo que as Escrituras ensinam a harmonia entre ambos, tendo o amor como o caminho mais excelente de todos eles (I Co 13).
Milagres como os que ocorriam na igreja primitiva continuam acontecendo hoje. Há relatos inúmeros. Eu vivenciei um milagre: após uma paralisia por um derrame cerebral, Cristo me curou por completo. Aqui estou eu digitando pessoalmente, de próprio punho, para você.
Porém, quando Jesus e os apóstolos curaram doentes, cegos, mudos, paralíticos, ou ressuscitaram mortos, todos os que viram o(s) milagre(s) ou ouviram a respeito do(s) milagre(s) creram? Não. Apesar de Deus manifestar Sua graça e poder ainda hoje, os homens são resistentes a ter fé em Deus. E, lembrando as palavras do Mestre “ haverá, porventura, fé na terra quando o Filho do Homem vier outra vez?” e “...bem aventurados os que não viram, mas creram.”
Um abraço em Cristo.

Anônimo disse...

Irmão Gutierrez. Parabéns pelo texto. Continue escrevendo. Nossa AD precisa de pensadores.

Abraço.

Fernando Braga
AD Registro

Blog Safira Santos disse...

Caro amigo para crer em Cristo não preciso ver milagre acontecer, mas os milagres estão acontecendo a todo instante. voce não acha que se Deus permitisse alguém hoje ressuscitar um morto de um caixão a glória seria para ele? pois mesmo sem operar milagre já estão roubando a glória do Senhor imagine se operassem algum milagre. busque mais a Deus e para de querer ver milagre físico pois o maior milagre em nossas vidas foi a morte e ressurreição de Cristo para nos salvar. concordo com o feliz comentário do amigo João Batista Maia.te digo mais quando voce se lançar de verdade nos pés do Senhor voce vai ver milagres extraordinários acontecer em sua vida se não assim o fizeres o milagre acontece e voce não vai acreditar como Tomé. que Deus t abençoe abundantemente.

Gutierres Siqueira disse...

Caro anônimo,

Você entendeu o meu texto? Parece que não, pois você tenta me convencer a existência dos milagres. Ora, por acaso eu coloquei o milagre como uma impossibilidade? É claro que não. Deus continua a operar milagres. A tese central do texto é somente explicando porque não vemos a mesma frequência de milagres registrados na Bíblia.

Gutierres Siqueira disse...

Cara Safira,

Eu creio em milagres, não precisa me convencer disso.

Gutierres Siqueira disse...

Caros,

Infelizmente, muitos estão entendendo esse texto errado. Problema de interpretação?

a) O texto é sobre uma pergunta comum, pois muitos indagam porque não vemos a mesma frequência de milagres nos dias de hoje.

b) Estou recebendo algumas mensagem de super-espirituais mandando até eu orar mais. Certamente é um bom conselho. Agora, fico a indagar se essas mesmas pessoas veem milagres extraordinários com frequência.

c) Eu creio em milagres. Já vivenciei inúmeras vezes a providência divina.

Anônimo disse...

Amado Gutierres.
Li, interpretei e compreendi o que você escreveu. Não tentei lhe convencer de que milagres existem, pois você deixou bem claro que para você eles existem e que neles você acredita. Eu de minha parte tentei lhe mostrar que você errou ao citar I Co 12:29 como um ensino de Paulo de que o dom de milagres é uma exceção. Paulo não ensina isso. A Bíblia não ensina isso. Os milagres continuam a ocorrer tal qual nos dias dos apóstolos. Na história da igreja têm continuado a existir com similar ou maior frequência uma vez que as Boas Novas têm sido anunciadas quase que em todas as nações ao longo dos séculos. Os milagres que os apóstolos realizaram não serviam como uma reafirmação da mensagem deles. Não vejo nenhum ensino bíblico nesse sentido. Mas a Bíblia ensina que os dons servem para a edificação da Igreja. Por último, tal qual ocorreram nos dias de Jesus e dos apóstolos, nos dias de hoje ocorrem exageros: alguns que querem fazer dos dons um espetáculo a fim de trazerem glória para si mesmos e outros que estão somente atrás de milagres, ignorando o autor do milagre que sabemos ser Cristo. Porr isso citei "porventura haverá fé na terra quando o Filho do Homem voltar?"
A Deus toda a glória!

Anônimo disse...

Aconselho ao irmão a reescrever seu texto, pois é fácil dizer que muitos estão entendendo seu texto de forma errada. A construção dos seus argumentos é que está, no mínimo, confusa.

Antonia Alves disse...

Jesus é o mesmo ontem,hoje e eternamente.Os milagres não foram só para os discípulos,Jesus disse que: os sinais seguirão os que creem.Então qualquer um que crê e buscar esse dom,recebe.Jesus nunca foi limitado a tempo.Falsos crentes existem sim, mais não são todos,existem pessoas fiéis a Deus,que vivem uma vida correta diante de Deus.

Gilmar Valverde disse...

Caro irmão Gutierres,

Parabéns pelo equilíbrio esposado no presente artigo.

É uma pena que alguns leitores não conseguiram entender certos pontos que se encontram CLARAMENTE no próprio texto.

Um abraço,

Gilmar

Daniel Meurer disse...

Concordo com seu texto e sou da AD de Alvorada-RS. Acho boa parte das criticas ao seu texto se deve a uma má compreensão do que é um milagre.

Sergiano Reis - EBDicas disse...

A paz Gutierrez,

Pelos comentários que vi parece-me que a maioria não apreciou como deveria o seu texto.

Eu li e entendi muito bem sua posição. Confesso que aprendi algo que me levou para mais perto do Senhor Jesus, o único que tem poder para fazer milagres.

Que Deus continue abençoando sua vida. Oro para que aconteça um milagre e alguns "leitores" aqui prestem mais atenção no texto por inteiro.

Abraço.

Alessandro Silva disse...

Parabéns pelo texto, eu vejo que não vemos muitos milagres hoje porque a intenção que as pessoas tem na cura sejam outras, elas não querem ser curas pra seguir uma vida de santidade e obediência a palavra, elas querem ser curas para voltar a pratica de vida que sempre teve. Um exemplo disso é um homem na minha cidade, foi obreiro na igreja, já o vi pregar, hoje esta desviado e com câncer, ele e a esposa estão separados e ele está na pratica da sodomia, numa visita ele disse, “EU QUERO É VIVER”, só que não viver com Cristo, ele quer viver para voltar para seu parceiro(ele deixou bem claro em suas palavras, não que disse isso, mais ficou bem provado).

Álvaro Rodrigues disse...

Irmão Gutierres ,

A paz do Senhor !

É incrível a falta de capacidade interpretativa de alguns super-santos que estão comentando o seu texto.

Desde já, parabenizo-o por mais este excelente artigo !

Em Cristo,

Álvaro Rodrigues

Gutierres Siqueira disse...

Caro anônimo,

É necessário entender a diferença entre o Colégio Apostólico e os dons ministeriais. O primeiro grupo acabou com a morte de João. O Colégio Apostólico teve o papel determinado pelo Senhor para a revelação de Sua Palavra. Nesse sentido, digo que não temos a mesma autoridade dos apóstolos. Os apóstolos foram para o Novo Testamento o que os profetas haviam sido para o Antigo Testamento. Eles eram portadores da revelação divina, portanto, tinham autoridade escriturística. Você e eu não temos a mesma autoridade. Ou você acha que o canôn ainda está aberto ou em desenvolvimento? Ou que o moderno movimento apostólico seja válido? Tomara que não!

Quando vemos muitas sinais maravilhosos- com a sombra de Pedro que curava- caímos na tentação de querer reproduzir tais fatos nos dias de hoje. Mas vejamos: uma coisa foram os sinais operados por Deus na vida dos apóstolos e outra coisa diferente é o dom de operação de maravilhas. É importante estabelecer essa divisão.

Há milagres hoje? Sim. Qualquer um pode ser usado por Deus para operar milagres? Evidente que sim. Os milagres dependem da nossa fé e oração? Também. É possível ver grandes maravilhas nos dias de hoje pelos dons espirituais? Evidente. Agora, vamos reproduzir a mesma intensidade e grandeza de milagres da era apostólica? Não e não. Por que? Ora, porque hoje já há a necessidade de reafirmar a "doutrina dos apóstolos". É natural que a intensidade venha a diminuir. Essa é a tese central do texto.

Gutierres Siqueira disse...

Caros,

Como alguns leitores perceberam, infelizmente, há uma crítica dificuldade de interpretação de texto entre leitores da web. Certa vez eu escrevi um texto irônico ensinando técnicas para ser um pregador de sucesso. Até hoje recebo comentários condenando o meu texto. Sabe o motivo? Muitos entenderam como algo sério e não perceberam a ironia. É caso de mandar novamente para o ABC...

Anônimo disse...

Caro Gutierres,
O que autoridade escriturística tem haver com dons do Espírito Santo?
Outra curiosidade: a respeito de João Batista não temos relato bíblico dele ter realizado nenhum milagre, mas ele é considerado profeta/pregador do Reino de Deus. João está incluído entre os doze apóstolos - Colegiado Apostólico?
Não, Gutierres não acho que o Cânon esteja aberto e não mencionei isso em meus comentários.
Me desculpe, mas não entendi o que você quis dizer com "hoje há necessidade de reafirmar a doutrina dos apóstolos".

Wallace Sousa disse...

olá, Gutierres, apz.

gostei do texto, incitante à reflexão.

gde abço,

wally.

Daladier Lima disse...

É meu bom amigo, Gutierres, está ficando complicado escrever na internet. Recentemente, em meu Facebook houve uma polêmica. Eu murmurei: "Essa tragédia de Santa Maria era tudo que Dilma queria. Afasta os rumores sobre apagões, corrupção e incompetência." Pronto, duas frases. Foi o bastante para os meus friends caírem matando.

Mas vamos ter paciência e esperar que um milagre aconteça. Rsrsrs.

Abraços!

Gutierres Siqueira disse...

Caro anônino,

Você pergunta: “O que autoridade escriturística tem haver com dons do Espírito Santo?”.

Resposta: Simplesmente tudo! É preciso estabelecer a diferença entre o nosso ministério 9exercendo os dons espirituais) com o papel dos doze apóstolos. Eles eram canais de revelação divina, escriturística- ou seja- eles foram escolhidos por Deus para a formação de um Novo Testamento. O que eles falaram inspirados pelo Espírito Santo tem autoridade doutrinária. Por exemplo: Quando você é usado em profecia, a sua profecia deve ser julgada pela Palavra. Logo, a sua profecia é menor, em autoridade, do que a profecia escrita (a Bíblia). Assim, você não tem a mesma autoridade apostólica de portadores da revelação, e, também, não pode ser reivindicar tal autoridade nos dias de hoje.. Quem fez isso foram os grandes hereges e sectários.

Você pergunta: “Outra curiosidade: a respeito de João Batista não temos relato bíblico dele ter realizado nenhum milagre, mas ele é considerado profeta/pregador do Reino de Deus. João está incluído entre os doze apóstolos - Colegiado Apostólico?”

Resposta: Não, pois João Batista, segundo o próprio Cristo, foi o último profeta da Antiga Aliança: “"A Lei e os Profetas profetizaram até João. Desse tempo em diante estão sendo pregadas as boas novas do Reino de Deus, e todos tentam forçar sua entrada nele.” [Lucas 16.16]. Os apóstolos foram como os profetas do Antigo Testamento.

Você diz: “Não, Gutierres não acho que o Cânon esteja aberto e não mencionei isso em meus comentários.Me desculpe, mas não entendi o que você quis dizer com ‘hoje há necessidade de reafirmar a doutrina dos apóstolos’”.

Resposta: Creio que a primeira resposta já mata essa última. Como não somos portadores de uma nova revelação, logo não há a mesma necessidade de milagres para reafirmar a autenticidade de nossa mensagem. Assim, já estamos baseados na antiga da Bíblia como única regra de fé. Isso extingue os milagres? É claro que não, mas diminui a sua necessidade, pois um dos seus papéis já foi cumprido. Qual era esse papel? Reafirmar a doutrina dos apóstolos. Logo, se tal doutrina já está formada, logo concluímos que o milagre ocorrerá por outros motivos.

Anônimo disse...

Ah! tá Gutierres. A Paz!

Luiz Renato disse...

Gutierres,
em primeiro lugar, gostaria de dizer que costumo ler seu blog e concordo com a maioria do que vc escreve, assim como concordo com a maior parte do seu texto. O argumento 3, entretanto, me parece equivocado, pois me parece que hoje, que Jesus não só não está na Terra, mas já está nos céus há dois mil anos, assim como já faz dois mil anos que os primeiros apóstolos pregaram e morreram, e um pouco menos que isso que a Bíblia foi "fechada", e depois de milhares de anos de história da Igreja - com sua parte boa e sua parte podre e sua parte mais podre ainda - e uma espera de dois mil anos pela volta de Jesus (na qual creio literalmente), me parece que os sinais são mais necessários, não menos, para "selar" a pregação. No tempo dos apóstolos tinha-se o relato fresco, testemunhas oculares,opositores que conheceram Jesus e pessoas que conheceram pessoas que conheceram Jesus; nós "só" temos um relato - um relato verdadeiro, santo e inspirado pelo próprio Deus, mas "só" um relato.
É verdade que é o Espírito que confirma o relato hoje, mas Ele fazia a mesma coisa ontem e sempre, de forma que me parece que a situação histórica, à parte do Espírito, dificulta e não facilita a crença, de forma que manifestações do sobrenatural ajudariam mais a crença para nós, que estamos historicamente mais distantes, do que para eles.
Quanto a 6, creio que sim, mas quero testar um argumento com você(teste mesmo, o elaborei por esses dias, se é que é original): a Bíblia diz que a fé move montanhas; bom, ou você crê ou você não crê; se você crê, você não questiona e, portanto, não tenta Deus, mas se você questiona, tipo " se é verdade, que esta montanha se mova", então você não crê e portanto, não pode mover a montanha. Assim, não se pode afirmar que as montanhas não se movam simplesmente por falta de fé.
Abraço e continue escrevendo.

Dina disse...

Simples!! Basta crer Nele para vermos os milagres acontecerem:
João 14.12-13

Em verdade, em verdade vos digo que aquele que crê em mim fará também
as obras que eu faço e outras maiores fará, porque eu vou para junto do Pai.
E tudo quanto pedirdes em meu nome, isso farei, a fim de que o Pai seja glorificado no Filho.

Mara disse...

Caros irmãos

Fui curada de um cisto no punho direito ao qual teria que fazer uma cirurgia.Uma certa noite já havia orado e estava deitada e em pensamento falei com o Senhor que não gostaria de fazer a cirurgia pois teria que ficar de repouso e seria um pouco difícil principalmente por ser ser no punho direito e falei que se ELE quisesse poderia me curar e para a glória do Senhor amanheci sem aquele caroço.Foi algo tremendo.Não ficou nenhuma sequela."Se creres verás a glória de Deus".Esse milagre aconteceu em 2007, era ainda uma nova convertida.

ibr-parana disse...

Graça e Paz Pastor,toda converssão é um milagre, e vc não está vendo milagre?
Está na hora de vc repenssar seu ministério, Jesus está vivo,Ele não está morto,e os milagres , são sinais disso.
Deus abneçõe, não vou citar uma lista de milagres, mas eu tionha miupia e hipermetropia e fui curado em um culto, a partir daquele dia dia pude me aprofundar em estudos da plavra de Deus.

Blog Safira Santos disse...

Desculpe se t ofendi. Depois de refletir sobre a questão dos milagres passados e dos presentes em sua pergunta vou colocar o meu ponto de vista: primeiro é que os milagre eram realizados por homens intitulados apóstolos de Jesus que viviam como imitadores de Cristo e que não faziam para sua própria honra mas para a honra e glória do Senhor. Segundo se os milagres acontecessem com a mesma frequencia dos da igreja primitiva creio que não haveria conversões de almas pois vivemos em uma era onde as pessoas estão mais interessadas em curas físicas do que em curas da alma ou seja são pessoas que só buscam a Deus por mero interesse e não por amor ou necessidade de salvação. creio plenamente em milagres, já tive o privilégio de provar dessa misericórdia de deus na minha vida, quando o meu marido foi curado há 16 anos de câncer na coluna onde durante oito meses vivemos o caos de nossas vidas. com tres filhos pequenos e nesse tempo perdemos tudo o que possuíamos ficando reduzidos a nada, passamos por grande dificuldade mas Deus não nos abandonou provia a cada dia tudo o que necessitávamos para sobrevivermos. Além de curar o meu marido ainda restituiu dez vezes mais de tudo o que nós perdemos. outro ponto de vista que acho porque não acontece milagres como antes é que a maioria dos líderes de igrejas hoje estão fazendo do evangelho um meio de vida, de fama, e de executivos ainda há aqueles que as ovelhas de seus apriscos só tem valor enquanto produz a lã que eles tanto almejam ou seja ovelhas que dão lucros e onde o homem faz do evangelho um evangelho etnocêntrico creio que o Espírito Santo não opera. Desculpe irmão mas esse é o meu ver depois de analisar a sua pergunta em relação aos milagres de hoje. Abraço, que Deus t abençoe e fique na paz do Senhor.

Anônimo disse...

Bom os milagres na igreja primitiva eram sim corriqueiros, pois em João 21.25 diz que se fosse escrito todas as coisas que Jesus havia feito não caberia no mundo.Jesus andava pela região e muitos doentes vinham ou eram trazidos até ele, sem contar os milagres da multiplicação de pães e peixes.
Precisamos primeiro crer para ver o o milagre mas observo que no novo testamento jesus e depois os apóstolos, anunciavam o reino de Deus pelo qual Cristo é o caminho, e faziam milagres que levavam multidões a crer em Cristo como unico salvador. Veja o que jesus diz: em joão 14.11 "Se vocês não crêem por causa das minhas palavras, creiam pelo menos por causa das coisas que eu faço."
Mas devemos lembrar que naquela época as escrituras (Biblia sagrada) não estava pronta. Hoje temos as escrituras prontas e tudo que precisamos saber, conhecer, aprender e fazer esta lá.
O CRER é a convicção das coisas que não se pode ver... por isso que Abraão foi aceito por Deus por meio da fé, assim é por meio da fé que nos aproximamos de Deus.

Gustavo Lugoboni disse...

Irmão Gutierres,
Parabéns pelo seu texto. Acredito que alguns irmãos são tão apegados a esse mundo que não conseguem crer que o maior milagre que há é a nossa salvação e que isso nos basta.
Qualquer outro milagre que nos acometa é pura graça de Deus e creio que milagres só ocorrem para edificação, jamais para conforto muito menos recompensa por santidade.

Neilton disse...

Tive o mesmo questionamento. A conclusão que cheguei é que a manifestação do poder do Senhor vem da intimidade com Ele. Se não temos vistos milagres notorios, é porque isso tem sido proporcional à nossa busca pela intimidade com o Senhor Deus e Pai. A igreja de hoje não é a mesma de início, e não adianta discordar (com exceção de poucos que buscam intimidade). A intimidade é o conjunto de confiança no Senhor e obras; obras não somente ir à igreja e orar, mas o amor ao próximo, amando como o Senhor Jesus nos amou; um coração como o de Jó, que se desvia do mal, não somente exteriormente, mas também no coração.

Anônimo disse...

sou cristão e acho que Deus deveria fazer os mesmo milagre daquele tempo já que o diabo não para de fazer suas maldades.

Geraldo disse...

Caro Dicésar, concordo com você em parte, quando não vemos atualmente nenhum cego ou paralitico sendo verdadeirante curado. Acredito que milagre é coisa raríssima, pois é algo sobrenatural que quando acontece vem mais da conveniência de Deus do que da fé da pessoa curada. Há muitas pessoas de muita fé e outras nem tanto morrendo com doenças consideradas ainda incuraveis e outras às vezes alcaçam a cura, não sei se por milagres ou a intervenção divina instrumentalizada na medicina. Uma coisa é certa, curas verdadeiras diretamente em cegos e paraliticos de nascença não temos noticias infelizmente.Discordo de você quando diz que os verdadeiros milagres, especialmente os citados supra, não servem para conversão, pois eu gostaria muito de ter vivido na época de jesus e ter presenciado tais milagres que ele realizou. Não sou cético, mas também não sou um desavisado e sei que nem tudo é milagre, pois Deus age também usando os homens, especialmente na medicina, que valorizo muito. Obrigado.