Pesquisar este blog

Carregando...

quarta-feira, 1 de maio de 2013

O símbolo da Bancada Evangélica

João Campos
 (foto: congresso em foco)

Por Gutierres Fernandes Siqueira

Quem acompanha este blog sabe a minha visão crítica sobre a Bancada Evangélica no Congresso Nacional. É inegável a importância desse grupo para barrar leis absurdas como a aprovação do aborto e eutanásia- eufemismos para assassinar com consciência limpa- mas, ao mesmo tempo, é composta por muitos deputados questionáveis, para dizer o mínimo, em matéria moral e ética.

O deputado João Campos (PSDB-GO) é um símbolo dessa Bancada Evangélica moral- imoral. Campos, presidente da Frente Parlamentar Evangélica, é um dos maiores entusiastas da PEC 37, um projeto de lei que na essência limita o poder de investigação do Ministério Público. Ele defende abertamente esse projeto em seu site. Além desse absurdo, o deputado Campos foi relator na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da PEC 33, de autoria do deputado Nazareno Fonteles (PT-PI), outro projeto tresloucado que submete o poder do Supremo ao Congresso.

No mesmo site onde defende o indefensável Campos informa que “em 1973 converteu-se à Igreja Evangélica Assembléia de Deus na Cidade de São Miguel do Araguaia. Em 1980 foi consagrado Diácono, em 1988 Presbítero, em 1989 Evangelista e em 1996 Pastor Auxiliar da Igreja Assembléia de Deus de Vila Nova.”. A Bíblia diz que, na condição do episcopado, o homem deve ser  irrepreensível [cf. 1Timóteo 3.2]. E como assembleiano eu fico com aquele sentimento de "vergonha alheia".

Aonde vamos parar? Nós, como evangélicos, vamos continuar a manchar os nossos nomes com deputados que “defendem a família” e ao mesmo tempo projetam leis que minam a democracia e a oportunidade de investigação de corrupção?  É claro que ele e outros deputados apologistas dessas PECs vão dizer que possuem as melhores intenções... Bom, mas quem acredita? Já viu algum tirano que cresça falando a verdade?

Como seria bonito ver deputados evangélicos defendendo causas nobres. Homens que deveriam ser exemplos de republicanismo, honestidade e democracia.

É hora de vigiar!



5 comentários:

Daniel disse...

Ótimo texto, confesso que venho me perguntado isso a muito tempo, defende a família, são contra a eutanásia e por ai vai,atitudes louváveis ao meu ver, mais quando acompanha o trabalho do cidadão ai bate aquela desanimo, alguns estão entre os mais faltosos,ficha suja que os mesmo dizem ser perseguição da mídia, cada projeto picareta que ele criam,a bacada evangélica votou em peso na reforma ambiental juto com a bancada ruralista, votaram para destruí o meio ambiente mesmo e por ai vai mais coisas. decepcionado.

informatica disse...

Confesso que tenho sido falho quanto ao meu papel de cidadão. Votei nesse sujeito nas últimas eleições e nunca procurei conhecer a fundo o seu trabalho como representante do meu estado. Desconhecia esses fatos lamentáveis apontados pelo Gutierres. Acho que foi o excesso de confiança por ele ser evangélico, pois o discurso dele era pautado na ética e pelos princípios. Lembro que há uns 8 anos atrás entrevistei ele para uma rádio comunitária na qual eu trabalhava e fiquei entusiasmado com seus posicionamentos frente ao caos em que a política brasileira se encontrava. Infelizmente o discurso nem sempre representa a essência do indivíduo.

jurandir alves disse...

Pois e Gutierres,

Isso para dizer o minimo. Ser evangelico nao e uma roupa que alguem a use apenas nos finais de semana ou ocasioes chaves. Impregnado por Cristo, nao vive de conluios. Essa bancada diz-se de evangelicos, mas tem que votar em funcao de normas do partido. Deveriamos entao ter um partido Cristao so com cristaos de atitudes cristas (moral, etica, civismo,etc...)

Pr. Genivaldo Tavares de Melo disse...

Só posso dizer que tudo isso é bastante lamentável, quando essa bancada, com 100% dos seus participantes tem o dever de zelar pela justiça e pela transparência neste país. Como disse o Apóstolo João: "Não são todos de nós".

Bispo João disse...

Esse deputado João Campos (GO), tá na contra mão da democracia, e precisa de volta aos bons costume...