Pesquisar este blog

Carregando...

domingo, 30 de março de 2014

Por que não existe Ministério de Louvor?

Por Gutierres Fernandes Siqueira


O leitor Gilmar Valverde pergunta: “Se ‘ministério de louvor’ não existe, como afirmado no post sobre pastores itinerantes [leia aqui], como fica, então, os muitos cantores que se dedicam exclusivamente ao louvor? Por acaso, seria um trabalho sem muito sentido no Reino de Deus?” [1].


A resposta: Primeiro, é necessário definir o conceito neotestamentário de “ministério”. Todo trabalho na igreja local pode ser definido como ministério? A resposta é um sonoro não. Quando alguém diz ser um “ministro de louvor” esse está apenas reproduzindo uma tradição carismática sem sustentação bíblica. Ministério é o que a Bíblia chama de ministério. Simples assim? Nem tanto. O teólogo C. G. Kruse assim define “ministério” no pensamento paulino:


Para o apóstolo Paulo, o ministério incluía tudo que o Cristo exaltado fez e faz por intermédio de seu povo para edificar sua Igreja. Isso incluía o exercício apropriado dos dons para o ministério, que Cristo concedeu a todo o seu povo, e também o ministério dos que, como Paulo, foram divinamente designados para estabelecer e educar as Igrejas. Também incluía os designados por ação humana para exercer papéis de liderança nas Igrejas. [2]

A base para definir exatamente quais são os ministérios do Novo Testamento é a Sagrada Escritura, especialmente em Romanos 12, 1 Coríntios 12 e Efésios 4. O apóstolo diz: “E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo” [1 Coríntios 12.5 AA]. A palavra traduzida como “ministério” é διακονιῶν [diakoniōn]. Segundo Strong's Exhaustive Concordance of the Bible, o termo indica aqueles dotados por Deus para o serviço zeloso e laborioso na promoção da causa de Cristo entre os homens. O contexto sempre envolve o serviço no exercício do apostolado, do evangelismo, da proclamação profética, do ensino e e do pastorado (cf. 1 Co 12.5; Ef 4.12; 2 Tm 4.5).  Em nenhum desses textos há uma indicação que o responsável pelo louvor seja “ministro” no sentido neotestamentário do termo. Quem louva não ministra ofícios, mas simplesmente (e grandemente) adora.

Alguém pode dizer que essa discussão é apenas semântica. Não, não é. O conceito de ministro é importante para entender o papel daquele a quem Deus chama para edificação da Igreja. Em nenhum momento o Novo Testamento coloca o louvor como parte da edificação (ou seja, da construção e alicerce doutrinário da congregação). O louvor é colocado em poema e sobre um poema sempre é necessário cautela na construção de sistemas doutrinários. Aja vista certas dificuldades hermenêuticas na interpretação dos Salmos. Embora o louvor na primitiva igreja (exemplo: Romanos 11.33-36) seja recheado de doutrina bíblica, aquele que canta não é necessariamente um doutrinador.

Ah, mas e os cantores e bandas evangélicas? Bom, hoje são apenas artistas. Mas a igreja local não precisa de cantores? É claro que sim, mas somente como alguém que impulsiona o louvor congregacional. Não é para apresentação. Infelizmente, nas igrejas pentecostais clássicas a maior parte dos ditos cantores produzem apresentações (ou shows) e não louvor para e com a congregação. É bom lembrar que essa lavra de cantores do mundo “gospel” é uma invenção recente do século XX. Até o século XIX as composições eram feitas por pastores, teólogos e pessoas vocacionadas para a música, mas que normalmente tinham envolvimento com algum ministério (missionários, evangelistas, pastores, professores de Bíblia etc.). O reformador Martinho Lutero (1483-1546), por exemplo, escreveu o hino Castelo Forte. Naquela época não havia alguém que- fora do ambiente eclesiástico- se dedicasse apenas a cantar de igreja em igreja com suas composições. Charles Wesley (1707-1788), por exemplo, é conhecido como grande compositor, mas era principalmente um ministro ordenado pela Igreja Anglicana. A grande musicista inglesa Sarah Kalley (1825-1907) era professora de Bíblia e foi missionária no Brasil. A assembleiana Frida Vingren (1891-1940) também produziu belos hinos, mas o seu ministério era a missão evangelizadora e o ensinamento bíblico. 

Observe que Martinho Lutero, Charles Wesley, Sarah Kalley e Frida Vingren não se colocaram como “cantores de igreja”. Eles eram, antes de tudo, ministros do Evangelho. O talento musical era complemento e não uma função ministerial. Logo porque o louvor é responsabilidade de toda a congregação e não só de um indivíduo. A igreja local precisa de apenas um pastor ou um mestre, mas todos os membros devem louvar ao Senhor com cânticos (cf. Efésios 5.19; Colossenses 3.16). 

Referências Bibliográficas:

[1] A pergunta foi adaptada para melhor entendimento do questionamento.

[2] KRUSE, C. G. Ministério. Em: HARWTHORNE, Gerald F.; MARTIN P. Ralph e REID, Daniel G. Dicionário de Paulo e suas Cartas. 2 ed. São Paulo: Paulus, Edições Loyola e Edições Vida Nova, 2008. p 818.

26 comentários:

Sales Santos disse...

Muito bom o artigo. Eu vejo que o chamado ministerio de louvor é uma inovação que tirou o louvor genuino da igreja e o substituiu por um festival de emocionalismo barato. Outra coisa abominável é o desprezo pelos hinários históricos. Até as igrejas reformadas estão se deixando levar pela nova onda da música gospel. Como disse John MaCarthur, uma igreja que deixa de lado os hinos clássicos é uma tragédia. A liturgia cristã está em crise.Paz e graça, meu irmão.

Anônimo disse...

A paz do Senhor!
Ótimo post, Deus te abençoe muito!
Hoje em dia as coisas estão muito cinzentas, os mestres não sabem ou não tem coragem pra dizer o que é branco ou preto ......
Agora entendi que é um SERVIÇO, como ajudar na limpeza do prédio da igreja, recepcionar visitantes, e etc ...., importante mas pode ser feito por qualquer pessoa habilitada para tal.
Mais um motivo pra tirar os cantores/músicos do pedestal!
Marco Aurélio

Gilmar Valverde disse...

Obrigado pelo esclarecimento, irmão Gutierres.

Que Deus o abençoe.

Atenciosamente,

Gilmar

Célio de Castro disse...

Parabéns pelo artigo!
É um tema que muitos tem abordado, mas que está enraizado no imaginário pentecostal atual, os próprios líderes chamam os músicos de levitas e os definem como membros do ministério de louvor.

alvaro disse...

o dificil é colocar isso na cabeça de certos "pastores" e "musicos" por ai!

pretinha disse...

É interessante notar que, embora na Igreja apostólica realmente não existissem pessoas dedicadas inteiramente à música sacra, tal classe de pessoas existem há muito tempo. Aquele que é considerado, talvez, o maior músico de todos os tempos, Bach, dedicava-se em grande parte à música sacra. Não era considerado um ministro, mas isso não impedia que vivesse da música.

Porta latas Cabo Frio disse...

Sou neto de uma das fundadoras da AD Madureira-RJ, hoje estou na Nova Vida, creio que a função ministro de louvor está mal colocada; deveria ser sim ministro de evangelizaçao através do cantico. Posso dar como exemplo Paulo Leivas Macalao que sendo pastor tambem ministrava bem no louvor a Deus Podemos ver o resultado do seu trabalho pelos hinos que ele compos e pela multidao de filhos na fé que ele gerou. Hoje vemos que tudo foi deturpado. O LOUVOR é a unica atividade que vai continuar no céu. Agora, o mais importante ainda é o amor, que tambem continuará e o IDE atraves da mensagem cantada, isto sim, podemos chamar de um "verdadeiro ministerio com louvor"

Porta latas Cabo Frio disse...

Sou neto de uma das fundadoras da AD Madureira-RJ, hoje estou na Nova Vida, creio que a função ministro de louvor está mal colocada; deveria ser sim ministro de evangelizaçao através do cantico. Posso dar como exemplo Paulo Leivas Macalao que sendo pastor tambem ministrava bem no louvor a Deus Podemos ver o resultado do seu trabalho pelos hinos que ele compos e pela multidao de filhos na fé que ele gerou. Hoje vemos que tudo foi deturpado. O LOUVOR é a unica atividade que vai continuar no céu. Agora, o mais importante ainda é o amor, que tambem continuará e o IDE atraves da mensagem cantada, isto sim, podemos chamar de um "verdadeiro ministerio com louvor"

derci mello disse...

Então como devemos chamar, so de cantores? e a essencia fica onde porque nem todos os pastores tem esse ministerio de adoraçao nem todos sabem tocar ou cantar e DEUS precisa de verdadeiros adoradores q saibam fazer isso porque nao é qualquer um sabe ministrar o louvor e atrair a presença de DEUS no culto a ele, o artigo é bom mais falta mais esclarecimento paz para todos....

Louvor Nativo disse...

Muito bom o artigo. Concordo com muita coisa, realmente não existe um "ministério de louvor" e todo músico cristão deve ter um compromisso sério com a Palavra de Deus, crescer no conhecimento e na graça, e fazer parte de uma igreja local. Entretanto gostaria apenas de fazer uma observação quanto as bandas evangélicas. Nem todas tem o propósito de serem "apenas artistas" como citado no artigo. Não vejo problema algum de uma igreja possuir um conjunto musical, inclusive, acredito que os comentaristas devem escutar no seu dia-dia, no mínimo uma banda conhecida nacionalmente. Duvido muito cantarem e ouvirem apenas os louvores da igreja local. Não me levem a mal, não estou defendendo o mercado gospel (impulsionado pelo movimento gospel que surgiu nos anos 90) que hoje na grande maioria só quer fama, sucesso e faturamento. Mas quando se generaliza, abre margem para as pessoas desacreditarem nos músicos fiéis, piedosos e comprometidos com a obra de Deus. Uma banda pode/deve existir para apoiar a obra de Deus, através do louvor e da evangelização de rua. Nossos músicos cristãos precisam é serem ensinados e não criticados. Talvez eis aí o motivo de tantos jovens com o pensamento distorcido quanto ao seu papel de cantor/músico cristão, e como igreja muitas vezes não estamos preocupados em ensinar o verdadeiro sentido da adoração/louvor. Acredito que nosso papel como ensinadores da Palavra, deve ser instruir também aqueles que exercem o trabalho de louvor, é nosso dever resgatar nossos músicos para a verdadeira essência deste trabalho.
Meus queridos irmãos, que a Paz de Deus seja convosco.

ELDER MOREIRA disse...

interessante más discordo a partir do momento que eu pego a Bíblia e abro em Dt. 18:5,6e7 onde o levita ministra em nome do Senhor... então amados não sou levita, ou de Ministério de louvor algum, más a Bíblia não falha e em Rm. 13 diz q a Alma é Ministro de Deus.

Rafael de França Cardoso disse...

Irmão Elder Moreira, a passagem mencionada por você.
Romanos 13 não diz que a alma é ministro de Deus, mas que a autoridade é ministro de Deus!

a parte B do versículo 3 e a parte 1 do versículo 4 evidenciam isso...

Queres tu, pois, não temer a autoridade? Faze o bem, e terás louvor dela;
porquanto ela é ministro de Deus para teu bem.


Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; porque não há autoridade que não venha de Deus; e as que existem foram ordenadas por Deus.
Por isso quem resiste à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação.
Porque os magistrados não são motivo de temor para os que fazem o bem, mas para os que fazem o mal. Queres tu, pois, não temer a autoridade? Faze o bem, e terás louvor dela;
porquanto ela é ministro de Deus para teu bem.
Mas, se fizeres o mal, teme, pois não traz debalde a espada; porque é ministro de Deus, e vingador em ira contra aquele que pratica o mal.

Romanos 13:1-4

E quanto diz toda alma, está dizendo que todas as almas viventes, ou seja, todas as pessoas.

Fica na paz varão!

Pio Valverde disse...

Concordo com muita coisa postada aqui,mas prefiro crer que Deus conhecedor de todas as coisas recebe o verdadeiro louvor,que vem do coração,então eu posso louvar ao Senhor no início do culto em um"ministério"na pregação em ar livre ou culto caseiro;com hinos da Harpa,com Salmos e Hinos ou novos cânticos.Penso também que se houver no meu coração qualquer (mínimo)interesse que não o de glorificar ao Senhor,posso cantar todos os cânticos de Davi,e de nada adiantaria
!!!

Anônimo disse...

Só não entendo o porquê de se gastar tempo, pensando em como conseguir descredibilizar a importância de um dos departamentos( vou chamar assim) mas importantes na vida da igreja.. Não me interessa quem faz por interesse, por inveja, por dinheiro ou promoção pessoal e sem espiritualidade. o Ministério de Louvor de uma Igreja Local além de ser uma ferramenta poderosa para alcançar todos os tipos de pessoas (cristãos ou não) tem provas mais do que contundentes da revolução que pode causar e do impacto que pode ter na vida de um adorador ou de uma alma sedenta de Deus ou em uma geração. O Louvor é Palavra! Da mesma maneira que muitos têm apenas interesses que não são os que agradam a Deus e usam o talento de cantar ou tocar para seu próprio benefício, quanto mais poderia eu aqui citar as aberrações que tem surgido como "pregadores" e que só enverganham o evangelho. No mais, qual o valor que existe nessa discussão? será que é isso que Jesus faria no nosso lugar? foi pra isso que Deus deu seu único filho? pra que ficássemos aqui a perder tempo em dar corretamente o nome ao que quer que seja? titulos e leis e regras banais de homens!? esse canal não seria de muito melhor aproveito se falassem outros temas? pra que se debater entre irmãos? porque se afogar nesse mar de confusão? questões que não edificar a ninguém, em nada!? talvez um dia a gente entenda o que é na verdade ser cristão, e o que é praticar nesse mundo ( mesmo virtual) a sua verdadeira mensagem.

Graça e Paz do Senhor Jesus á todos!

Consultora em Educação disse...

Hinos, louvores e barulho.

Ivone Boechat

Antigamente, quando alguém passava na rua poderia ser alcançado pelo poder de Deus, ao ouvir a Igreja cantando um hino inspirado, com letra simples e profunda. Sempre a Igreja usou instrumentos musicais: violino, órgão, piano, ou acordeom... Quantas pessoas se converteram... ouvindo um hino, um coral, a música inspirativa ? Hoje, quem passa pela rua ou por fora do templo, não consegue ouvir nem a igreja cantando, coitada, ela até se esforça, grita, fica na ponta do pé, se esgoela, mas não vence o som altíssimo da bateria, estrondando e balançando lustres e vidraças, com 90 decibéis. Quem sabe até despencando o telhado.

Os educadores andam sobressaltados com tanta coisa que se esbarra na formação da futura igreja. Ela está aí e não venham dar a desculpa que não convence: “para conquistar os jovens é preciso liberar tudo, heresia na letra, barulho ensurdecedor, dança, som de danceteria, coreografia, porque o mundo está perdido e é preciso ceder”. A educação tem recursos para ajudar a por as coisas em ordem. Não precisa se contaminar com o mundo nem adoecer todo mundo com tanto barulho.

Os evangélicos têm hinos perfeitos, lindíssimos e inigualáveis e alguns “cristãos modernos” ficam esnobando esse acervo, chegando ao cúmulo de discriminarem e até substituírem os maravilhosos e inspirados hinários por “louvores” mal feitos, sem pé nem cabeça. Acham que louvar é fazer muito, mas muito barulho...! Quando se usa o som acima da capacidade auditiva, desequilibra, irrita e...pode até matar. Quem usa marca passo não pode ir à igreja. Os idosos estão sendo expulsos, as crianças, coitadas, sofrem..., e haja tímpano. Os cultos ultrapassam a 80 decibéis! Muitos irmãos não agüentaram e desapareceram dos barulhões que antecedem ao culto. Chegam mais tarde! Ou nem chegam.

“A minha casa será chamada casa de oração”. Mt 21:13

O ambiente na igreja deve ser próprio para a comunhão, para a oração, sim, para o louvor e não para um show que desarmoniza, incomoda, desprepara o cérebro para receber a mensagem. O cérebro desorganizado não está apto para gravar nada.


Por onde andam os corais infantis? Cadê os quartetos que cantavam nas Igrejas? Cadê os hinos lindos tradicionais ? Há igrejas que nem evangélicas são que estão tomando posse dos hinos do cantor cristão, da harpa e outros nossos hinários tradicionais, e afirmando que são hinos deles. Que eles cantem, tudo bem, cantemos juntos ao redor da terra, mas nunca, porque nós os desprezamos ou substituímos o belo pelo desarranjo.

“Parece-vos pouco o fatigares e provares a paciência dos homens? Agora quereis também abusar da paciência do meu Deus?” Isaías 7:13

Léo Trajano disse...

Ótimo artigo, pena que muitos dos que comentaram não entenderam nada do que foi escrito. Eu acredito que o bom ensino começa a partir do momento em que os significados das expressões são definidos. Partindo do conceito bíblico de ministério não restam dúvidas de que o termo "ministério de louvor" é totalmente contraditório. Parabéns ao escritor e que Deus o abençoe.

Francisco David disse...

Vivemos em meio ao século 21
E gostando ou não muitas pessoas só vem a Cristo por meio de tais ferramentas:
Teatro , dança,louvor etc...
Querendo ou não muito dos nossos jovens vem a Cristo através disso , logo após sua entrada é que comeca a ver o processo de mudança. ...
Então nessa questão deixo nas mãos do Senhor a decisão do q Ele quer ou não para usar já q até a mula de balaão e
Ele usou

marlondimattos disse...

Discordo plenamente. Entendo que todos nós temos um chamado, uns são chamados para pastores outros para evangelistas, outros para cantores e outros para instrumentistas etc, e todos são importantes para o reino de Deus, a música é o canal que toca mais rapidamente o coração do pecador, principalmente se for ele um também músico ou tiver afinidade com esse dom. É mais difícil o pecador parar pra dar ouvido a uma pregação do que passar por uma canção ou banda tocando sem observar do que se trata. E todas essas teorias ultrapassadas dita na postagem foram sucumbidas pelo tempo, hoje pra se chegar ao coração do pecador temos que falar a lingua dele, seja por nós cristãos chamadas de gírias ou não. Temos que atrair fazer como o antigo ditado, "Quem quer pegar a galinha não diz xô". Afirmo na minha concepção que o ministério de louvor é igual ao pastoral e o cantor pode sim ser chamado de ministro de louvor ou pastor como queira. Fiquem na paz!

marlondimattos disse...

Impressionante como tem gente que parece que pensa que o tempo não passa. Quanta bobagem dita nesse comentário que me deixa triste. Hoje as igrejas pelo menos da minha cidade possui isolamento acústico para bateria e não existe esse barulho todo lógico que hoje os arranjos musicais são próprios pra nossa época.As igrejas possuem isolamento são na maioria prédios acusticamente projetados, ate porquê existe uma lei que exige que seja dessa forma. E Deus habita no meio dos louvores e não afirma que tem que ser louvor tocado com gaita acordeon, ou que seja tocado baixo ou alto. Mas concordo com os mais velhos sei que tem Saudades do seu tempo e até esquecem que já passou. O louvor é escencial diria que ate vital para uma igreja e tem que ser dessa forma o povo de Deus é um povo alegre e precisa pular saltar dançar gritar na presença do senhor.

marlondimattos disse...

Boa Elder tô de total acordo.

adriano leite disse...

ADRIANO LEITE.

FICO ENTRISTECIDO, VENDO PESSOAS TENTANDO, DE ALGUMA FORMA TIRAR A IMPORTÂNCIA DO LOUVOR NA IGREJA.PROCURAM TODAS AS BASES TEOLÓGICAS PARA CONSEGUIR ESTE OBJETIVO.SEMPRE VEJO ARTIGOS QUE O MINISTÉRIO DE LOUVOR SÓ QUER APARECER, QUE ESTÁ FAZENDO SÓ SHOW E OUTRAS COISAS MAIS.É LÓGICO QUE EXISTE SIM ESTES TIPOS DE PESSOAS, COMO TAMBÉM EXISTE MINISTÉRIO DE LOUVOR SÉRIO.QUE LEVAM AS COISAS DE DEUS A SÉRIO.QUEM FALA DO LOUVOR, NUNCA SABERÁ O PREÇO QUE UM MÚSICO PAGA PARA FAZER A OBRA.SÃO ANOS DE ESTUDO, PARA SER UM BOM MÚSICO, ENSAIOS, LEITURA BÍBLICA, DESPREZO POR PARTE DE MUITOS,QUE É NOTÓRIO, POIS SÓ SABEM FALAR MAL.QUANTAS VEZES O MINISTÉRIO DE LOUVOR, DIGO MINISTÉRIO PORQUE SIGNIFICA SERVIÇO, OU ENTÃO O SERVIÇO DE LOUVOR,APÓS O LOUVOR SAI ENTRISTECIDO PELO DESPREZO DE MUITOS, QUE NÃO AJUDAM, QUE NÃO COOPERAM, QUE NÃO ORAM PELO MINISTÉRIO, QUE NUNCA TEM UMA PALAVRA DE AJUDA, MAS FALAR MAL AI SIM, USAM A BÍBLIA,
PALAVRAS BONITAS, E COISAS MAIS.SE É PRA GENERALIZAR, ENTÃO TEMOS QUE TIRAR OS MICROFONES DAS IGREJAS, VENTILADORES, CADEIRAS, PORQUE ISTO É MODERNIDADE, NÃO EXISTIA ANTES.ENTÃO TUDO NÃO É PARA O REINO DE DEUS?ENTÃO QUERIDOS PAREM DE CRUCIFICAR MINISTÉRIOS E OREM POR ELES, PORQUE SE NÃO FOR DE DEUS, O PRÓPRIO DEUS SE ENCARREGA DE RETIRÁ-LOS DO MEIO.

SINTEPP - Subsede Parauapebas - PA. disse...

Muito piegas o artigo. Não há consistência teológica. O texto expressa um desabafo pessoal de alguém que precisa aprofundar o seu discurso nas informações bíblicas. Os argumentos estão muitos soltos, sem coesão.

Marcelo Vander Da Silva Cruz disse...

Creio não ter nenhum desmerecimento ao "ministério de louvor", fato é que realmente na Bíblia não existe tal ministério. Mas que continuem sendo bênção na casa do Senhor, conduzindo a igreja a adoração ao nosso Deus.

Marcelo Vander Da Silva Cruz disse...

Creio não ter nenhum desmerecimento ao "ministério de louvor", fato é que realmente na Bíblia não existe tal ministério. Mas que continuem sendo bênção na casa do Senhor, conduzindo a igreja a adoração ao nosso Deus.

Eli Neves disse...

Discordo! Quem introduziu o louvor e adoração através da música no seu devido lugar foi o Rei Davi. Todos os levitas que adoravam diáriamente tinha o mesmo patamar de sacerdote.

Então, goste vocês ou não, o departamento do louvor é uma área importantíssima na igreja e para desespero dos que não aceitam, o louvor ocupa o espaço de 50% dos cultos na grande maioria das igrejas.

Aceitem. Não precisamos ser rivais, somos parceiros na obra do Senhor!

Sostym disse...

A graça e a paz do Senhor Jesus seja com cada um e cada uma!!! Não resisti e precisei regressar e escrever algo...parabéns pelos pontos em que a consistência é considerável. Há alguns pontos muito turvos nessa explanação e creio que o principal deles é a diferenciação no tocante a Dons Ministeriais e o significado semântico (SIM!) de "Ministrar o louvor", que é incentivado na própria escritura sagrada. APENAS UM DOS (porque são muitos outros ao longo das escrituras) exemplos que posso citar é 1 Crônicas 6:31, 32 e 33 em que o verbo que é usado nas mais diversas traduções bíblicas (AA, ACF, NVI), incluindo o verbo na versão da bíblia em inglês (NIV, KJ, etc), é "MINISTRAVAM O LOUVOR", ou "MINISTRAVAM COM CÂNTICO", ou ainda "MINISTERED WITH MUSIC" em inglês. Creio que somente este termo já põe abaixo expressões equivocadas por parte do expositor, DEVEMOS MINISTRAR COM LOUVOR A PALAVRA DO SENHOR. Concordo no tocante a esta leva de cantores e cantoras ditos "gospel" mas que de "evangelho" são paupérrimos, mas ressalto que há SIM! aqueles que escolheram não se contaminar nem se deixar levar por opiniões, sistemas ou muitas destas "invencionices" modernas e permanecem com o coração adorador, MINISTRANDO AO SENHOR o louvor que é DELE, MINISTRANDO A PALAVRA POR MEIO DO LOUVOR, compondo canções com teor teológico e debaixo de uma supervisão teológica. Louvo a Deus pela vida de grandes nomes que foram citados, que fizeram história ao longo dos tempos, todo mérito é do Espírito Santo inspirador e pela escolha de cada um em se submeter ao Amigo Espírito Santo, lembro apenas que as escrituras nos incentiva a CONTINUAR BUSCANDO REVELAÇÃO DO ALTO, portanto "Cantai ao Senhor um cântico NOVO!" Sejamos todos abençoados e abençoadas na Prática da Palavra de Deus!