Pesquisar este blog

Carregando...

quinta-feira, 15 de maio de 2014

A praga dos pregadores pseudoeruditos

Por Gutierres Fernandes Siqueira


A erudição é em si algo muito bom. E sempre é um aprendizado conhecer uma pessoa dotada de vasto conhecimento. Tive o privilégio de ter como professor na graduação um autêntico intelectual. Esse mestre, ainda ativo em sala de aula, tem formação teológica, linguística, pedagógica e em comunicação social. É fluente em mais de sete idiomas, incluindo as línguas clássicas como o latim, o hebraico e o grego. Já trabalhou em comissões de tradução da Bíblia, assim como de clássicos medievais como a "Suma Teológica" de Tomás de Aquino. Todavia, também, é uma das pessoas mais simples que conheci. Apesar da elegância e da veneração pelo português era capaz de passar tempos e tempos com diversos alunos em conversas triviais. Vejo nesse professor um modelo de "bom trato" e erudição, mas, lamentavelmente, nas igrejas pentecostais já ouvi muito falso erudito com a cabeça oca e o ego grande.


A praga da falsa erudição prejudica bastante em nossas dias as igrejas pentecostais. Veja abaixo a diferença entre a verdadeira e a falsa erudição no contexto pentecostal.


a) A verdadeira erudição é sinônimo de vasto conhecimento sobre os assuntos teológicos e de humanidades. A falsa erudição é apenas aparência, marketing pessoal e mania de grandeza.


b) A verdadeira erudição é humilhante, ou seja, quem sabe sabe das próprias limitações e do vasto caminho para aprendizado. A falsa erudição é orgulhosa, cheia de si, prepotente e fala demais. Costumam repetir nos púlpitos que são pregadores diferenciados e alardeiam que falam somente a verdade. Se você fala a verdade não é necessário propaganda. A Palavra vale por si.


c) A verdadeira erudição respeita a língua pátria e busca matérias interdisciplinares. A falsa erudição é tão falsa que nem sabe o português direito. Falam de Nietzsche nas redes sociais, mas não conhecem a diferença no uso do "mas" e "mais". Alguns ostentam o título de teólogos, mas são incapazes de produzirem um pequeno paper. A educação teológica não deve ser isolada, ou seja, é necessário a mínima base nas ciências humanas, sociais e até um pouco de exatas, caso contrário alguém pode pensar que "os romanos da Igreja Católica mataram Jesus", como eu já ouvi de um líder de célula de uma igreja neopentecostal.


d) O verdadeiro pregador erudito sabe a importância da homilética na comunicação e se centraliza no texto bíblico e não na performance do pregador. O sujeito que se diz teólogo e admira a escola Marco Feliciano de pregação só pode ser um piadista. Pregadores como o Feliciano, que é apenas um exemplo entre muitos, marcam o ministério pela extravagância e não pela desenvoltura em expor as Sagradas Escrituras.


e) O verdadeiro erudito não busca uma escola ou faculdade pensando em facilidades, mas sim no aprendizado. O falso erudito está preocupado apenas com o diploma. Há faculdades de teologia não registradas nos EUA que oferecem mestrado em apenas três semanas. Isso é uma palhaçada. Não é possível fazer um mestrado sério em tão pouco tempo. Há outras, mesmo no Brasil, que oferecem até doutorado em poucas semanas com pequenas apostilas via correspondência. Quem busca facilidade não busca conhecimento, mas apenas vaidade.

Portanto, veja bem os referenciais do púlpito.

10 comentários:

Valderi Felizado da Silva disse...

Acho pior os ateus que se posam de intelectuais. Lendo os comentários deles em alguns blogs cristãos, é surpreendente como propagam absurdos. De explicações como do tipo que os coreianos do norte e os habitantes da antiga Urss eram religiosos, só porque no passado praticavam-se o budismo e cristianismo ortodoxo naqueles locais, numa tentativa de desconectar aqueles regimes totalitários comunistas do ateísmo moderno, passando por mentiras tais como o Bill gates seria ateu - na verdade é católico praticante, a mentiras sobre a igreja primitiva, que os padres inventaram a condenação do suicídio numa forma que muitos cristãos estavam se matando para chegarem aos céus rápidos. Um absurdo. É meu caro, no lado de lá a coisa é pior.

Valderi Felizado da Silva disse...

Acho pior os ateus que se posam de intelectuais. Lendo os comentários deles em alguns blogs cristãos, é surpreendente como propagam absurdos. De explicações como do tipo que os coreianos do norte e os habitantes da antiga Urss eram religiosos, só porque no passado praticavam-se o budismo e cristianismo ortodoxo naqueles locais, numa tentativa de desconectar aqueles regimes totalitários comunistas do ateísmo moderno, passando por mentiras tais como o Bill gates seria ateu - na verdade é católico praticante, a mentiras sobre a igreja primitiva, que os padres inventaram a condenação do suicídio numa forma que muitos cristãos estavam se matando para chegarem aos céus rápidos. Um absurdo. É meu caro, no lado de lá a coisa é pior.

Fabricio Fabregas disse...

Muito Bom. Os "pregadores" do Gideões Missionários se identificam muito com essa praga.

Diego t ferreira disse...

Gutierres, obrigado pelas postagens tem muito me edificado...

Deus o abençoe, Em Cristo. ..

WELITON disse...

O IRMÃO ACHA QUE FAZER DOWNLOAD DE LIVROS É PECADO?

Célio de Castro disse...

Texto claro e objetivo, pontos de vista dos quais não discordo.
Faço coro ao Diego t ferreira.

Anônimo disse...

Falando em erros de português, há um no item "D":

d) A verdadeiro pregador erudito

Euler lopes disse...

Parabéns, mais uma vez por seus comentários Gutierres.

klebersantos disse...

A Paz!!!!
A onde eu assino?
aqui?????
então lavai.....

assinado:KLEBER SANTOS

adao disse...

Como não tenho muito conhecimento histórico, procuro analisar a pregação pela trivialidade, que por sinal, é nota zero para esses pastores arrogantes.