Pesquisar este blog

Carregando...

domingo, 13 de julho de 2014

Stanley M. Horton (1916-2014): um gigante da erudição pentecostal

Stanley M. Horton (1916-2014)
Por Gutierres Fernandes Siqueira

Nesse sábado, 12 de julho, o teólogo pentecostal Stanley Monroe Horton morreu aos 98 anos na cidade de Springfield, Missouri (EUA), que é a sede das Assembleias de Deus nos Estados Unidos. Há algum tempo o Rev. Horton vinha com a saúde frágil e era cuidado pela filha.

Stanley M. Horton nasceu em 6 de maio de 1916 em Huntington Park, Califórnia (EUA). Era filho de Harry e Myre Horton, respectivamente evangelista e filha de pastor. Os avós maternos Elmer Kirk Fisher e Clara Daisy Sanford participaram diretamente do histórico Avivamento da Rua Azuza em 1906. George O. Wood, superintendente geral do Concílio das Assembleias de Deus dos Estados Unidos, resumiu Horton como uma “ponte que ligava o avivamento de Azuza até os dias atuais”.

Rev. Horton recebeu sua formação educacional em grandes centros universitários americanos como Berkeley e Harvard. Na ordem: Los Angeles City College (A.A., 1935); Universidade da Califórnia-Berkeley (B.S., 1937); Gordon-Conwell Theological Seminary (M.div, 1944); Universidade de Harvard (S.T.M., 1945); e Central Baptist Theological Seminary (th.d.,1959). E ainda fez estudos complementares no New York Theological Seminary. Era professor emérito de teologia no Assemblies of God Theological onde começou a ensinar em 1978 [1]. Embora o pentecostalismo tenha contado com eruditos como os ingleses Myer Pearlman e Donald Gee, Horton foi um dos primeiros com vasto currículo acadêmico. Infelizmente, especialmente no pentecostalismo brasileiro, a carreira acadêmica entre pentecostais é ainda rara. Felizmente, nos Estados Unidos a realidade já é bem diferente, pois alguns pentecostais são respeitados fora do círculo carismático como os exegetas Gordon D. Fee e Craig S. Keener, sendo o primeiro um pastor ordenado pelas Assembleias de Deus.

Rev. Horton relatou que nem sempre a trajetória intelectual foi fácil. Quando estudava ciências ficou profundamente em dúvidas sobre Deus e as Escrituras. Então orou: “Senhor, eu sou um salvo, mas não sei o que fazer quanto a essas dúvidas” [2]. Deus o fez lembrar da cura de seu avô quando ele tinha apenas cinco anos. Trazer a memória o poder de Deus o fez voltar à fé fortalecida. Além disso, como todo pentecostal que se esforça pelo ensino, Horton enfrentou oposição dentro da Igreja por causa do remanesceste anti-intelectual, especialmente quando era um jovem estudante no Gordon-Conwell Theological Seminary.

Ele foi comentarista durante 25 anos da equivalente às Lições Bíblicas para a Escola Dominical nas Assembleias de Deus norte-americana. Foi autor, colaborador e editor de inúmeras obras como: Systematic Theology a Pentecostal Perspective, 1994  [Teologia Sistemática: Uma Perspectiva Pentecostal, 1995, CPAD];  What the Bible Says About the Holy Spirit, 1976 [O Que a Bíblia Diz Sobre o Espírito Santo, 1993, CPAD] e reeditada como A Doutrina do Espírito Santo no Antigo e Novo Testamento; Bible Doctrines: A Pentecostal Perspective (com William Menzies), 1993 [Doutrinas Bíblicas: Uma Perspectiva Pentecostal, 1995, CPAD] ; They Spoke from God: A Survey of the Old Testament (com Willian Williams); Isaiah: A Logion Press Commentary [Isaías: O Profeta Messiânico, 2002, CPAD]; The Book of Acts : The Wind of the Spirit [O Livro de Atos, 1993,  Editora Vida];  Tongues and Prophecy: How to Know; When a Gift of Utterance is in Order;  Perspectives On Spirit Baptism: Five Views (com Ralph Del Colle, Walter Kaiser,  H. Ray Dunning e Larry Hart); A Commentary on I and II Corinthians [I & II Coríntios, 2003, CPAD]; The Ultimate Victory: An Exposition of the Book of Revelation [Comentário Bíblico- Apocalipse, CPAD]; Into All Truth: A Survey of the Course and Content of Divine Revelation; Five Views on Sanctification (Counterpoints: Bible and Theology) com Melvin E. Dieter, Anthony A. Hoekema, e J. Robertson McQuilkin [Cinco Perspectivas Sobre a Santificação, 2006, Editora Vida]; The Shifting Romance with Israel (com Ray Gannon) e a coletânea de artigos reunidos em um livro O Avivamento Pentecostal, 1997, CPAD. Ou seja, ainda há algumas obras para serem traduzidas e reeditas pelas editoras brasileiras.

Rev. Horton visitou o Brasil em 1995 à convite da CPAD (Casa Publicadora das Assembleias de Deus) [3]. Pregou em inúmeras igrejas e manifestou grata surpresa pela lotação da Igreja em Recife em um dia útil de segunda-feira [4].

Stanley M. Horton deixará um legado de erudição e paixão pentecostal. Foi o exemplo vivo que não existe nenhuma oposição entre ser apaixonado pela ação do Espírito Santo na vida da Igreja com a erudição profunda e pesada dos grandes centros universitários. Ele mesmo que prefaciou a edição inglesa do livro de Rick M. Nañez era um “pentecostal de coração e mente”. Horton relatou:

Descobri que o estudo aprofundado da Bíblia, das línguas bíblicas, da arqueologia, psicologia, filosofia, de outras religiões e da história da igreja aperfeiçoaram minha apreciação pela verdade da Palavra Santa de Deus, além de me ajudar a perceber minha dependência do Espírito Santo como guia. Tudo que escrevi é fruto do estudo da Palavra de Deus e de oração. [5]

Que seja um exemplo para nós!



Referências Bibliográficas:

[1] BURGESS, Stanley M. [ed]. The New International Dictionary of Pentecostal and Charismatic Movements. 1 ed. Grand Rapids: Zondervan, 2002. p 772 (pos 32083).

[2] HORTON, Stanley M. O Avivamento Pentecostal. 1 ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1997. p 26.

[3] ARAÚJO, Isael de. Dicionário do Movimento Pentecostal. 1 ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2007. p 354.

[4] HORTON, Stanley M. O Avivamento Pentecostal. 1 ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1997. p 35.

[5] NAÑEZ, Rick M. Pentecostal de Coração e Mente. 1 ed. São Paulo: Editora Vida, 2007. p 11.

Um comentário:

alvaro disse...

que ele seja verdadeiramente um exemplo para nós!!!!