Pesquisar este blog

Carregando...

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Da atualidade do Antigo Testamento e do primitivismo dos pós-cristãos

Caim e Abel
Por André Gomes Quirino

Alguém já disse que acreditar em Deus ficou mais difícil depois que se inventou a energia elétrica. “Por que apelar a um ser supremo que começou a criar o mundo dizendo ‘Haja luz’ quando o homem pode fazer surgir luz diante de si no simples ato de apertar um interruptor numa parede?”, pergunta-se o homem moderno. A descrença é especialmente enfática quando se está diante do Antigo Testamento. Aos olhos modernos, as narrativas veterotestamentárias permeadas de sangue parecem demasiado impuras, não condizentes com o nosso ideal de boa religião. Entre cristãos, a descrença se atenua, mas permanece como seu resquício um desconforto. Temos dificuldade em pregar toda a Palavra inspirada (2 Tm 3.16), que inclui os escritos primitivos – destinados ao nosso ensino (Rm 15.4) –, para uma sociedade que se crê avançada o suficiente para superar as guerras passadas e futuras.

A solução para esse impasse não está em se enfiar o Antigo Testamento goela abaixo dos ouvintes, como costumeiramente se faz. De fato, a Lei se cumpriu em Cristo e, portanto, o Novo Testamento tem alguma prioridade em nossa devoção e nossa pregação. Mas, quando não se crê nem na Lei nem na sua consumação, que é Cristo, qualquer crença alternativa será um retrocesso em relação tanto a Cristo quanto à Lei. A crença moderna está fundada, essencialmente, no ser humano. Essa é a fé dos que se autodenominam “pós-cristãos”. Contudo, a fé no ser humano é não somente pré-cristã (e o prefixo “pré” aqui carrega, sim, um julgamento de valor, assim como “pós” em “pós-cristão”), mas também pré-hebraica.

Trata-se de uma crença ingênua. O ser humano mudou muito menos do que se imagina, desde a Antiguidade. O instinto violento que nos escandaliza no Antigo Testamento permanece em nós e, se, por um lado, construímos dispositivos legais que servem de alternativa à violência como resolução de conflitos na comunidade, por outro lado, quando esses dispositivos são insuficientes, a violência eclode com força redobrada. As duas grandes guerras do século XX dão mostra disso, e a nossa afetação de que aqueles foram episódios isolados, já devidamente superados, é sintomática. Agimos com cinismo, repetindo, como quem quer convencer a si mesmo, que tragédias como as do século passado não podem acontecer de novo, não aqui, não agora. No fundo sabemos que podem e, o que é pior, é por covardia que não o assumimos.

Precisamente aí reside a relevância do Antigo Testamento para a modernidade. As invejas, as brigas, as guerras que lemos na Torá não nos são estranhas, e ela não apenas escancara a natureza que está em nós e da qual erroneamente tentamos esquecer, mas, pelo fato mesmo de a expor, nos dá também uma lição de honestidade e coragem. Ao olhar hoje para cadáveres amontoados, com muita razão perguntamos onde está Deus. Os antigos também faziam essa pergunta, mas algo de essencial diferencia a atitude deles da nossa: eles esperavam pela resposta. “Onde está Deus?”, nas bocas modernas, tornou-se uma pergunta retórica. É para nós mesmos que a fazemos. Os antigos, que eram menos covardes, faziam-na ao próprio Deus – e, como vemos no Antigo Testamento, Ele a respondia.

O existencialismo, na modernidade, pensou ser o primeiro movimento do intelecto humano a se colocar diante da morte e encará-la. Mesmo um gigante como Shakespeare, interpretamo-lo como um pretenso redescobridor da roda, que, ao fazer Hamlet dizer, com uma caveira na mão, “ser ou não ser: eis a questão”, estaria enunciando uma preocupação tipicamente moderna. Na verdade, o questionamento de Hamlet – e Shakespeare certamente sabia disso –, embora novo na forma, é de um conteúdo tão antigo quanto a própria razão humana.

O homem moderno não é o primeiro a encarar a dureza e frieza de um cadáver que se decompõe. Outros já a encararam e, ao fazê-lo, reagiram mais sabiamente – conquanto não menos desesperadamente. O moderno dirige suas perguntas àquele que inventou a luz elétrica, chega mesmo perto de dirigi-las ao interruptor que está na parede de sua casa. Precisa aprender com a coragem e sinceridade do salmista que lamenta: “No Seol, ninguém te louva” (Sl 6.5), do piedoso que esbraveja: “Acaso tens tu olhos de carne?” (Jó 10.4) e dos judeus que repetidamente desabafam: “Por que o Senhor não escolhe outro povo?” É desconcertante dizê-lo, mas é necessário: a modernidade que pensa ter superado Deus não aprendeu ainda sequer a ofendê-Lo.

Nenhum comentário: