Pesquisar este blog

Carregando...

domingo, 15 de maio de 2016

O antissemita e o judaizante: polos que devemos evitar!

Por Sara Alice Cavalcanti

Entre o ódio e a idolatria oscilam os corações de cristãos evangélicos acerca do povo e do Estado judeus. Enquanto a acusação de deicídio alimenta, em alguns púlpitos, o desprezo aos filhos de Israel, outros ministérios optam pelo uso de símbolos da cultura judaica em seus cultos.

Os extremos dessas variações revelam o antigo antissemitismo ou o farisaísmo revivido nas posturas judaizantes. Os dois polos demonstram falta de entendimento bíblico do papel presente e futuro dos descendentes de Abraão.

A Inglaterra é exemplo de uma nação que viveu esse movimento pendular. Em 1290, ela expulsou os judeus de seu território e, em 1650, sob a influência de cristãos pré-milenistas, chamou-os ao retorno, num momento em que eram fortes as tendências judaicas na Teologia daquele país.

1. Antissemitismo

O antissemitismo poderia ser entendido como o antagonismo à descendência de Sem, filho de Noé. Nesse caso, todos os povos semitas estariam incluídos. A aplicação mais comum do termo, no entanto, é à descendência física de Abraão. O ódio e a consequente perseguição aos judeus caracterizaria o antissemitismo que, ao longo da História, alcançou momento de extrema violência.

a) A Perseguição romana. Segundo historiadores, mais de 14 milhões de judeus foram mortos desde o ano 70 d.C. A data marca a destruição do Templo pelos romanos e a dispersão dos judeus pelas nações. Se o Império Romano foi responsável pelo massacre ocorrido na ocasião, a Roma “cristianizada” foi, por sua vez, responsável pelos horrores das Cruzadas e da Inquisição.

b) A perseguição russa e alemã e sua extensão muçulmana. A Rússia czarista, com os “pogrons”, e a Alemanha nazista, com o holocausto, levaram adiante a bandeira do extermínio dos judeus, hoje passada, como um bastão numa corrida de revezamento, aos terroristas islâmicos. Hamã, na antiga Pérsia, já destilava antissemitismo em atos políticos, manipulações e conchavos com o intuito de perverter as ações reais e destruir aqueles que tomou como seus inimigos. No curso dos acontecimentos, observamos que prevaleceu o decreto do Rei dos reis a favor de Israel: “Abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem”. Com seu ódio, Hamã tipifica o grande mentor do antissemitismo secular – Satanás. Entende-se tal sentimento: Jesus, Aquele que foi prometido desde o Éden, o único poderoso para destruí-lo, nasceria de Abraão. Aquele que esmigalharia a cabeça da serpente viria ao mundo como judeu. Usando Ramsés ou Herodes, Satanás tentou impedir a chegada de seu destruidor. Usando Torquemada, Hitler ou Arafat vingou-se da “mulher [Israel] que deu à luz a um filho varão [Jesus]” (Ap 12.13). É necessário entender que o Diabo, “príncipe deste mundo”, age nos filhos da desobediência suscitando o ódio. Especialmente agora, sabendo que “pouco tempo lhe resta”, seduz os corações dos homens, especialmente o dos poderosos, para lançá-los na conta de Israel e assim tocar aquela que é a “menina dos olhos de Deus” (Zc 2.8) sabendo que, nela tocando, fere-O diretamente. Para estar a salvo do antissemitismo, a Igreja precisa aprofundar seu conhecimento das Escrituras. Nelas são revelados os propósitos do Senhor para com Israel. Por ignorância ou preconceito, nem sempre a Igreja acertou o alvo. No dizer de um judeu: “Primeiro nos disseram: ‘Vocês não merecem viver entre nós como judeus’. Depois nos disseram: ‘Vocês não merecem viver entre nós’. Finalmente decretaram: ‘Não merecem viver’”. Ações erradas partem de teologias equivocadas.

c) A Teologia da Substituição apregoou e apregoa que Israel deixou de ser alvo dos planos de Deus, sendo substituída pela Igreja. Ora, a existência da Igreja não anulará jamais a necessidade essencial de Deus ser fiel a Si mesmo e à palavra que proferiu. Baseado na substituição, o antissemitismo evangélico foi o pano-de-fundo teológico que levou ramos da Igreja alemã e outros a, no mínimo, cruzar os braços (quando não apoiar) o holocausto.

d) No Brasil, onde o antissemitismo foi alimentado pelas ideias de Gabineau (amigo pessoal do imperador Dom Pedro II) e de Le Bon, os conceitos de superioridade racial levaram às políticas de branqueamento que ainda vigoravam a Era Vargas, e sendo amplamente repetidas como conceitos “científicos” nas escolas, reafirmadas em verbetes preconceituosos de enciclopédias e dicionários. Outros livros omitem o sofrimento dos judeus durante a Inquisição ou durante o regime nazistas. Livros nacionais desprezam a presença judaica na formação do povo brasileiro.

Em consequência disso e sem a adequada refutação bíblica, muitos cristãos carregam o peso de uma tradição de ódio aos judeus. Quantos ainda acreditam que “todos os judeus são ricos”, que “judeus são avarentos” ou que “Jesus morreu por culpa dos judeus”. No entanto, a razão da nossa fé está em Jesus, nascido judeu, imerso nas tradições culturais de Seu povo para, a partir daí, alcançar todas as nações da Terra.

2. Por amor de Sião

Quando os ramos de jambuzeiro enxertado na oliveira reconhecem que Deus pode facilmente reenxertar nela os ramos naturais, o antissemitismo é vencido pelo amor.

O primeiro ministro de Israel, Benjamim Netanyahu, declarou certa vez que os cristãos se anteciparam “ao movimento sionista moderno em pelo menos meio século”.

Quando nossos irmãos, antes de 1948, pregavam sobre o retorno dos judeus dentre as nações e o restabelecimento da nação de Israel, isso parecia distante ou impossível ao ouvido de alguns. A Palavra inspirava os pregadores: “Canta e exulta, ó filha de Sião, porque eis que venho e habitarei no meio de ti, diz o Senhor” (Zc 2.10).

Sabemos que virão tempos difíceis para a descendência de Israel após o Arrebatamento da Igreja, mas o Senhor tratará com eles e salvará para Si um povo. Quando as forças do Anticristo se levantarem contra Israel, o Senhor entrará em juízo com elas (Jl 3.1-2).

Todas as promessas serão cumpridas: a posse da terra, desde o rio do Egito até o rio Eufrates; o sacerdócio no Templo milenial; a Raiz de Davi reinando eternamente; e a alegria da “Filha de Sião”, quando vir o seu Senhor habitando e reinando no meio dela. A esperança será cumprida (Zc 12.9-10).

Firmados numa base teológica bíblica, pregadores cristãos pré-milenistas como Arno Gaebelein (século 19) e William Blackstone (reconhecido pela comunidade judaica por seu amor a Israel) e muitos outros defenderam no passado o que seus sucessores continuam a defender: a infalibilidade das promessas e do amor de Deus, ressuscitando Israel como a um vale de ossos secos.

3. Movimento judaizante

Perigoso desvio tem levado alguns irmãos a uma postura para com Israel que chega à idolatria. Não é um toque de shofar (instrumento musical feito de chifre de carneiro ou antílope) ou a presença de uma menorah (candelabro de sete lâmpadas de ampla simbologia) que torna uma igreja judaizante.

Também as festas, quando tomadas como recurso que possa propiciar ao povo um ensino da simbologia veterotestamentária e sua aplicação à experiência cristã, não constituem um problema em si mesmas. Ainda parece melhor realizar uma celebração sob inspiração bíblica, seja ela uma “Festa da grande pesca” ou “Festa da volta do filho pródigo”, do que adotar costumes pagãos, transportando-os para o seio da Igreja. O cuidado especial que se deve ter é jamais desviar o foco das verdadeiras e mais significativas de nossas celebrações: o Batismo e a Santa Ceia.

3.1. Exageros e Contradições
O problema do uso de objetos como Kippah (cobertura para a cabeça) e o talid (manto judeu de orações), além das festas judaicas, é que, por trás do uso, se esconde a substituição da graça pelo ritual religioso.

A ênfase do cerimonial do culto disfarça a prevalência da forma. A forma tende a substituir a essência, principalmente quando alcança status salvífico.

Grupos há que iniciaram por estabelecer as festas judaicas como eventos isolados, como eventos estratégicos para o ensino e a evangelização.

A prática, quando não administrada com sabedoria, leva ao que aconteceu com tais grupos: o que era eventual tornou-se calendário eclesiástico; outras práticas foram acrescentadas; chegaram à obrigatoriedade da circuncisão. Existem mesmo os que julgam que para invocar Deus é mister fazer uso de seus nomes em hebraico. Proíbem o nome de Jesus, exigindo sua forma hebraica Yeshua.

Ainda é necessário dizer que as águas do Jordão não lavam pecados e que o óleo vindo de Israel não tem mais poder do que um óleo de outra procedência, sendo um símbolo da unção de Deus, derramada do alto.

O apego à forma era a prática farisaica nos dias de Jesus. Mesmo entre os nascidos de novo houve aqueles que se apegaram às antigas práticas e deram trabalho a Paulo em seu ministério aos gentios. O grupo de judaizantes, desde então, tem provocado polêmica. Pior do que isso, tem despertado no coração de líderes zelosos aversão por tudo que diga respeito aos judeus, com prejuízo do que se poderia adquirir num contato equilibrado e firme em sua ortodoxia.

4. Mesmas trevas

Quer no antissemitismo, quer na idolatria aos costumes judeus, percebe- se a ação das trevas. Desvia-se do amor caem no ódio aos judeus, desviados da prática sucumbem aos costumes que não salvam.

Talvez alguém defenda a aproximação às praticas judaicas como prova de amor a Sião. E o que ocorre é que dificilmente aquele que diz que ama os judeus sabe que a ação desse amor é a evangelização mundial.

4.1. Amor a Israel e Missões.

Uma Igreja que ama os judeus não pretende ser uma igreja judaica. Ela evangeliza, faz missões, para que o tempo dos gentios se cumpra, e o Senhor nos arrebate e volte a tratar diretamente com a nação de Israel nos tempos trabalhosos que virão. Se a Igreja de Cristo assim procede, não teme um mergulho nas sombras da Antiga Aliança reconhecendo que somos participantes daquela revelação.

Assim, qualquer semelhança com Israel é naturalmente entendida como um entrelaçamento dos ramos, naturais ou enxertados, da mesma oliveira.

Nota do editor: A publicação do artigo visa incentivar o conhecimento sobre dois extremos relacionados ao povo de Israel, como a autora sabiamente propõe, mas o editor deste blog acha exagerado o retrato que a mesma faz da Teologia da Substituição como meio de colaboração do antissemitismo. Na verdade, o mais correto seria afirmar que a Teologia Liberal foi um fator (de ideias) decisivo na relação das igrejas alemãs com o totalitarismo nazista. 

----------------------------------

Sara Alice Cavalcanti é mestre em Letras pela UERJ, professora de Hebraico e Literatura Hebraica na Faculdade Evangélica de Ciências e Tecnologia das Assembleias de Deus (FAECAD), colunista do jornal Mensageiro da Paz e membro da Assembleia de Deus em Bonsucesso (RJ). Artigo originalmente publicado na Revista RESPOSTA FIEL, Ano 5, n. 18, pp 7-9. 

Nenhum comentário: